Bauru e grande região

 
Geral

Em 4 anos, Bauru tem o pior saldo semestral de empregos

Segundo o Caged, de janeiro a junho, a cidade perdeu 1.941 vagas de trabalho

por Tisa Moraes

29/07/2020 - 05h00

JuRehder

Impacto no município

Bauru encerrou o primeiro semestre de 2020 com resultado negativo no nível de emprego, reflexo imediato da pandemia. De janeiro a junho, a cidade contabilizou o fechamento de 1.941 vagas de emprego com carteira assinada, o pior resultado para o primeiro semestre nos últimos quatro anos.

No seis primeiros meses de 2016, quando o País ainda estava mergulhado em uma crise político-econômica, Bauru havia perdido 2.891 vagas de emprego formal. Conforme o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado pela Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia com base em dados fornecidos pelas empresas, o resultado de 2020 só não foi pior porque, em junho, o segmento de serviços registrou saldo positivo de 785 vagas.

E não se trata de uma recuperação generalizada do nível de emprego neste setor. Conforme o JC divulgou, a Paschoalotto Serviços Financeiros divulgou, justamente no mês passado, a abertura de 1 mil vagas para operadores de telesserviços. A expectativa era de que todas as contratações fossem formalizadas em 30 dias.

Ou seja, mesmo que os estabelecimentos de serviços como um todo tenham extinto postos de trabalho em junho, o saldo negativo foi atenuado pela contratação em massa desta empresa de recuperação de crédito. A comprovação disso é que, considerando somente o período de janeiro a maio, a cidade acumulava a perda 2.769 empregos formais.

SETORES

Para se ter ideia do impacto da pandemia neste semestre, no mesmo período do ano passado, mesmo em meio a um momento de pouco aquecimento econômico, o município havia gerado 767 novos postos de trabalho. O desempenho crítico de Bauru em 2020, contudo, acompanha uma tendência nacional. No Brasil, foi contabilizada a extinção de 1,198 milhão de vagas de janeiro a junho, sendo 364 mil somente no Estado de São Paulo.

Em Bauru, em grande medida por conta das contratações da Paschoalotto, o setor de serviços foi um dos únicos a registrar saldo positivo de emprego no semestre, com geração de 134 vagas, entre contratações e demissões. Além dele, a construção civil, que não foi obrigada a interromper integralmente suas atividades durante a pandemia, somou 143 novos postos de trabalho.

Ainda de acordo com o Caged, o comércio respondeu pelo maior volume de empregos perdidos, com fechamento de 1.401 vagas no semestre. Já a indústria extinguiu 813 postos no município, em função do desaquecimento da demanda e consequente redução do ritmo de produção. O setor agropecuário, por sua vez, registrou perda de quatro vagas de trabalho formal.

Ler matéria completa