Bauru e grande região

 
Geral

Bauru tem novo recorde de mortes por Covid-19

Boletim epidemiológico emitido nesta quarta trouxe mais sete óbitos por conta da Covid-19; agora, são 89 vítimas fatais

por Vitor Oshiro e Tisa Moraes

06/08/2020 - 05h00

Divulgação

Novo balanço de Bauru: 89 óbitos e ocupação de UTIs em 98%

Bauru registrou novo recorde de mortes por conta da Covid-19 em 24 horas. O Departamento de Saúde Coletiva informou, na noite desta quarta-feira (5), sete óbitos. Com isso, são 89 vítimas fatais na cidade até o momento.

Todos essas sete novas mortes tiveram a investigação finalizada ontem pela Vigilância Epidemiológica. A primeira vítima é uma mulher de 65 anos, que tinha cardiopatia, pneumopatia, diabetes e aneurisma. Ela apresentou início dos sintomas da Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag) em 25 de julho e morreu no dia 31. A paciente estava internada em um hospital público da cidade e o resultado positivo para a Covid foi divulgado em 3 de agosto.

A segunda vítima é um homem de 71 anos, que estava em um hospital privado. Ele tinha cardiopatia, hipertensão, diabetes e doença renal crônica. Os sintomas da Srag começaram em 29 de julho e a morte ocorreu no dia seguinte. A Covid foi confirmada também em 3 de agosto.

O terceiro óbito é de um homem de 59 anos, que tinha diabetes. Ele estava em um hospital privado e os sinais da síndrome respiratória tiveram início em 3 de julho, sendo que o coronavírus foi confirmado cinco dias depois. O paciente não resistiu e morreu nesta terça-feira (4).

No mesmo dia, mais uma pessoa morreu: um homem de 73 anos, que também estava em um hospital privado. Ele tinha pneumopatia, hipertensão e imunodeficiência e a Srag começou em 25 de junho. O resultado da Covid saiu no dia 8 de julho.

A quinta vítima é um homem de 77 anos, que não tinha comorbidades e apresentou início dos sintomas da síndrome respiratória em 7 de julho. O resultado para a Covid-19 foi divulgado no dia 24 do mesmo mês. O paciente, que estava internado em um hospital público da cidade, morreu nesta segunda (3).

A sexta morte é de um homem de 59 anos, que sofria de cardiopatia e não resistiu à doença no último sábado (1). Os sintomas da Srag começaram no dia 24 de julho e o resultado confirmando o coronavírus saiu cinco dias depois. Ele estava internado em um hospital público.

Já a sétima vítima é um homem de 73 anos, que não tinha comorbidades associadas. O início da Srag foi em 11 de julho e a Covid foi confirmada no dia 17. O paciente estava internado em um hospital público e a morte ocorreu neste domingo (2).

O informe emitido ontem aponta ainda que, fora os 89 óbitos oficiais, há três mortes suspeitas em investigação.

SITUAÇÃO DELICADA

As sete vítimas fatais divulgadas nesta quarta são um novo recorde para Bauru. Até então, o maior número diário era de cinco óbitos, quantidade notificada em duas ocasiões: nesta terça-feira (4) e no dia 16 de julho.

Diante dos números, o prefeito Clodoaldo Gazzetta afirma que Bauru está em situação delicada. "É pouco plausível que nossa região consiga avançar para a fase amarela. Por outro lado, acho pouco provável retrocedermos para a vermelha. Uma cidade ou outra, como Bauru, está em uma situação um pouco mais delicada nesta semana, mas, como a nota é formada em âmbito regional, acredito que iremos nos manter na fase laranja", diz o prefeito, salientando que, mesmo com a permanência na fase laranja nesta sexta-feira (7), um novo decreto municipal poderá estabelecer restrições para algumas atividades econômicas, com o objetivo de conter o avanço dos casos e mortes na cidade.

Ler matéria completa