Bauru e grande região

 
Geral

Com queda de mais 16 cm no nível do Batalha, rodízio começa nesta 4.ª

Região central de Bauru teve o fornecimento de água interrompido à meia-noite de hoje; medida vai até 30 de setembro

por Larissa Bastos

16/09/2020 - 05h00

Divulgação

Lagoa de Captação do Rio Batalha

O nível do Rio Batalha, em Bauru, segue caindo. Em 24 horas, a Lagoa de Captação do manancial registrou uma queda de 16 centímetros, atingindo 2,20 metros nesta terça-feira (15), ou seja, 31% abaixo do ideal. Justamente por conta das frequentes reduções e da estiagem prolongada, o DAE optou pelo rodízio no fornecimento de água, que começou à meia-noite desta quarta-feira (16) pela região da Vila Falcão.

O sistema será direcionado durante 24 horas para esta área nos dias pares e para a região Central de Bauru nos dias ímpares (confira no quadro ao lado). A medida deverá permanecer, a princípio, até o dia 30 de setembro e pode afetar até 140 mil bauruenses, o equivalente a cerca de 35% da população local.

Conforme o JC já noticiou, o rodízio tem como objetivo minimizar os efeitos da menor produção da água distribuída pelo Batalha, que está 10% abaixo desde maio. As causas principais são o aumento de consumo de água devido às altas temperaturas e a falta de chuvas. De acordo com o Centro de Meteorologia de Bauru (IPMet), não chove há 25 dias no município.

A última vez em que Bauru teve rodízio foi na crise hídrica de 2014. Naquela época, o Batalha bateu o recorde histórico de menor nível: 1,20 metro. Em outras ocasiões, a cidade passou por racionamento, quando uma das bombas é desligada, mas não há escolha entre a região que receberá a água.

MUDANÇA DE DATA

Em um primeiro momento, o rodízio estava previsto para começar no último domingo (13), o que chegou a ser divulgado pelo DAE. Porém, horas depois, a data foi alterada para hoje. "Como há 80% de chance de chuva para o próximo final de semana, vimos que não seria necessário penalizar a população antes da necessidade", justifica o presidente da autarquia, Eliseu Areco Neto.

Por outro lado, segundo o presidente, esta quarta-feira era a data limite para que o órgão tomasse uma atitude, tendo em vista que a lagoa registra os menores níveis do ano, chegando a 2,20 metros, enquanto o ideal seria 3,20 metros.

USO CONSCIENTE

Com isso, o DAE reforça que o uso racional da água pela população será fundamental para que o rodízio funcione adequadamente e não haja desabastecimento nesse período. "A orientação é para que priorizem hábitos de higiene, principalmente para a prevenção ao coronavírus, e evitem lavagem de calçadas, carros e enchimento de piscinas", detalha a autarquia, por meio de nota enviada pela assessoria de imprensa.

"A recomendação é que os moradores das regiões afetadas utilizem suas reservas domiciliares enquanto permanecer o rodízio de fornecimento", finaliza.

CAMINHÕES-PIPA

O DAE ainda vai complementar o abastecimento dos locais participantes do rodízio com caminhões-pipa. Caso ocorra falta de água nos dias em que o fornecimento estiver interrompido, o apoio pode ser solicitado por meio do 0800-771- 0195, que recebe ligações apenas de telefone fixo, ou (14) 3235-6140 e 3235-6179 para ligações feitas por aparelho celular. No site www.daebauru.sp.gov.br, serão disponibilizados mapas que mostram todos os bairros incluídos no sistema de rodízio.

Ler matéria completa