Bauru e grande região

 
Geral

Hospital das Clínicas seguirá de portas abertas, informa presidente da Famesp

Segundo presidente da fundação Antonio Rugolo Júnior, Estado está preocupado com segunda onda

27/11/2020 - 13h27

Tainá Vétere/JC Imagens

Antonio Rugolo Junior, presidente da Famesp, gestora do hospital

As atividades do Hospital das Clínicas de Bauru (HC) serão mantidas e não mais encerradas a partir desta terça-feira. Quem informa é Antonio Rugolo Júnior, presidente da Famesp, entidade que administra a unidade hospitalar.

“Hoje (sexta-feira, dia 27) houve uma mudança da estratégia do atendimento do paciente com Covid, pois o convênio da Famesp com o Estado se encerraria agora em 30 de novembro. Porém, por conta da segunda onda, o secretário adjunto de Estado da Saúde (Eduardo Ribeiro Adriano) nos ligou pela manhã pedindo para que continuassem as atividades”, explicou.

Para tanto, será realizado um aditivo de prazo no convênio, cujo vencimento será em 2021, sem data definida. De acordo com Rugolo, a continuidade do convênio dependerá da segunda onda de Covid-19. “Quanto aos funcionários, será aditado o prazo de contrato até a data que for definida pela Secretaria de Saúde para a permanência desse convênio”, acrescenta o presidente da Famesp.

Ontem, ele informara que o HC, inaugurado em 1 de julho bem em meio à pandemia, encerraria suas atividades na próxima terça-feira, data em que todos os funcionários estariam demitidos e eventuais pacientes ainda internados no local, transferidos para o Hospital Estadual (HE).

A possibilidade de fechamento do HC já vinha sendo aventada há algum tempo. Porém, no início de outubro, em visita a Bauru, o governador João Doria garantiu que o Estado manteria a unidade em funcionamento após a pandemia, para atendimento de pacientes com demandas relacionadas a outras especialidades médicas.

Nesta quinta-feira (26), a Secretaria de Estado da Saúde reiterava, por meio de nota, que não haveria suspensão de atividades no momento e que o HC segue operando com 20 leitos de enfermaria, com "uma taxa baixíssima de ocupação, de 10% na noite de quinta-feira", o que equivale a dois pacientes.

Ler matéria completa