Bauru e grande região

Economia & Negócios

Pais devem economizar mais com o material escolar dos filhos neste ano

Por conta da pandemia, famílias estão recebendo listas mais enxutas e com recomendação de reaproveitamento de itens

por Bruno Freitas

07/01/2021 - 05h00

Fotos: Malavolta Jr.

Jaqueline Rocha Dantas e a filha Camila já foram fazer as compras do material nesta semana

Está aberta a temporada de venda de materiais escolares e livros didáticos para o ano letivo em Bauru. A pandemia da Covid-19 torna a experiência diferenciada neste ano e a projeção é de que os pais gastem menos, uma vez que as listas, mais enxutas, aconselham reaproveitar o material não utilizado em 2020. As famílias que costumeiramente se organizam para não deixar para a última hora já estão indo às compras e, com isso, o setor tem a expectativa de ficar mais aquecido já a partir desta semana. 

De acordo com o gerente de papelaria Nilo Sérgio Alves Júnior, da Jalovi Altos da Cidade, o segmento se preparou com bastante antecedência para a volta às aulas. "Houve a compra e reposição de estoque como em todos os anos. Notamos que as escolas estão mandando listas mais enxutas, pedindo reaproveitamento do material não utilizado em 2020 e sugerindo troca entre irmãos. A loja também tem tomado seus devidos cuidados, disponibilizando álcool em gel em diferentes áreas e o uso de máscaras é obrigatório", comenta.

O gerente também relata que, apesar das listas mais enxutas, o setor está otimista para as vendas de agora. "Como não houve volta às aulas no meio do ano passado, muitos vão comprar agora. Então, os pais devem gastar menos, mas, em termos de volume, estamos otimistas em vender até mais".

Nilo diz ainda que a previsão é de que haja uma volta às aulas mais espaçada do que o comum, porque as escolas particulares devem retornar no fim de janeiro. Já as unidades de ensino público e universidades têm retomada posterior e, desse modo, os pais desses alunos vão iniciar orçamentos no mês que vem.

FACILIDADE

As papelarias estão facilitando as compras para pessoas do grupo de risco ou a quem quer evitar se expor em ambiente com outros clientes. Nilo cita o exemplo das vendas virtuais. "Quanto antes comprar, melhor, porque evita a correria de última hora. É possível pedir orçamento no WhatsApp, tirar dúvidas e fazer pedido por ali mesmo, que entregamos na casa do cliente", afirma.

Ainda é importante acrescentar que não é o momento de levar a família toda para as compras. O próprio Sincomércio vem reforçando, desde a reabertura das lojas, para o controle de acesso de clientes. Hoje, o recomendado é um cliente para cada 7 metros quadrados de área de venda ou 40% da capacidade prevista no AVCB, prevalecendo o menor.

ORGANIZAÇÃO

Quem começou o ano organizando o material escolar e vai reaproveitar parte dos itens para os dois filhos pequenos é a contadora Jaqueline Rocha Dantas. Ela, que já fez todo o orçamento, foi à papelaria com a filha Camila, de 8 anos, aluna do 3.º ano do Ensino Fundamental. Enquanto a pequena escolhia os cadernos, a mãe explica que já pratica com ela a educação financeira.

"As aulas iniciam dia 26 de janeiro e a lista de produtos de papelaria veio mais enxuta, econômica, podendo reaproveitar diversas coisas que não foram usadas no ano anterior. Vamos focar a compra em cadernos novos porque é motivador às crianças, além de lápis e canetas. Eu explico para eles que dá para abrir exceção em alguma coisa ou outra, de optar pelo que eles querem, mas o básico, a grande maioria, vou pelo mais barato", detalha.

Livros e grupos de desapego

Reprodução

Uma das mães postou desapego de livros paradidáticos seminovos nesta semana

O que dá pra economizar com papelaria não é igual com os livros, relata Jaqueline Rocha Dantas. Ela conta que, com os dois filhos, o gasto com as obras didáticas será superior a R$ 3 mil neste ano. 

No entanto, a contadora destaca que economiza nos paradidáticos, de literatura obrigatória. "Conseguimos ter vantagens em gastar menos com obras literárias porque trocamos com outros pais em grupos de desapego de material escolar, tanto em Facebook quanto WhatsApp", comenta. Um destes grupos em Bauru, por exemplo, conta com 1,6 mil membros no Facebook.

Compras coletivas

Além de reaproveitar materiais do ano passado, uma boa dica para os pais buscarem maior economia está nas compras coletivas, explica gerente de papelaria Nilo Sérgio Alves Júnior. Segundo ele, as mães têm se organizado para unificar a lista e atender a todos da mesma sala de aula.

Desta forma, segundo ele, em grande quantidade de materiais semelhantes, há um desconto vantajoso. "Além do melhor preço, este formato ajuda a evitar aglomerações nas lojas. Isso porque, ao invés de 10 ou 20 famílias irem ao estabelecimento, uma única mãe representante busca o material de todos", finaliza.

Ler matéria completa