Bauru e grande região

Geral

BB anuncia reestruturação e Sindicato dos Bancários de Bauru quer negociar

A entidade sindical afirma que, entre outros diversos prejuízos, a agência da Virgílio Malta poderá fechar dentro de 30 dias

por Cinthia Milanez

12/01/2021 - 05h00

Malavolta Jr./JC Imagens

Paulo Tonon, coordenador do Sindicato dos Bancários de Bauru e Região, fala sobre os prejuízos decorrentes dessa reestruturação

Nesta segunda-feira (11), o Banco do Brasil (BB) anunciou uma ampla reestruturação, incluindo um programa de desligamento e outro de readequação de quadros, além da extinção de agências em todo o País (leia mais na página 17). Em Bauru, o Sindicato dos Bancários afirma que a unidade da rua Virgílio Malta, na região central, poderá fechar as portas dentro de 30 dias e, por isso, busca negociar com o banco. O BB, por sua vez, diz que não detalhará o cenário em cada cidade e todas as mudanças - com prazo para começarem a partir de 22 de fevereiro - visam "reforçar a competitividade e fortalecer o protagonismo histórico da instituição" (leia mais abaixo).

Coordenador do sindicato, Paulo Tonon explica que soube do possível fechamento da agência da Virgílio pelos próprios trabalhadores. "A unidade ficou zerada no sistema do banco após o anúncio da reestruturação", complementa.

Ainda de acordo com ele, a agência do Mary Dota se transformará no que o BB chama de loja. "Este tipo de local será mais focado na venda do que no atendimento em si e, por isso, abrigará somente caixas eletrônicos", detalha.

Na região de abrangência do sindicato, que compreende 39 cidades, as agências de Avaí e Cabrália Paulista, segundo Tonon, sofrerão a mesma mudança. "Não vejo tal alteração com bons olhos, porque muita gente não sabe utilizar os terminais eletrônicos nas cidades pequenas e nos bairros mais populares", observa.

AÇÕES COLETIVAS

Diante disso, o coordenador da entidade adianta que ingressará com duas ações coletivas. A primeira delas visa evitar a redução salarial dos caixas destas unidades que ganharão uma nova função, afinal, eles recebem uma comissão de cerca de R$ 1 mil e, se passarem a exercer outro cargo, poderão perder o benefício.

A segunda ação pretende coibir as transferências arbitrárias. "No caso dos trabalhadores da agência da Virgílio, se ela, de fato, fechar as portas, os servidores deverão ser remanejados para outros estabelecimentos situados na mesma cidade - de preferência, para o da Rui Barbosa, que ficará sobrecarregado com o fechamento de uma das duas únicas unidades da região central", esclarece.

Paralelamente, o sindicato enviou, nesta segunda-feira (11), um ofício para marcar uma reunião com os representantes do BB, mas ainda não obteve resposta. "Nós também gostaríamos de verificar os números da nossa região, como a quantidade de servidores que deverão aderir ao programa de desligamento", comenta.

A entidade se organiza, ainda, para um ato, em frente à agência da Virgílio, dentro dos próximos dias.

Veja mais

Banco do Brasil anuncia reestruturação que prevê fechar 361 unidades

'Reforçar a competitividade'

A assessoria de comunicação do Banco do Brasil disse que não irá detalhar as situações locais e, em nota, se posicionou apenas sobre as mudanças em âmbito nacional. O órgão alega que visa "reforçar a competitividade, buscando a perenidade dos negócios, a eficiência operacional e o fortalecimento do protagonismo histórico da instituição frente ao segmento financeiro".

Ainda de acordo com o comunicado, desde 2017, o banco vem criando agências de negócios digitais. Agora, pretende implantar mais 14 escritórios leves digitais para proporcionar atendimento personalizado a clientes que já realizam as suas transações bancárias de maneira virtual.

Outra alteração acontecerá no atendimento exclusivo ao agronegócio. O BB promete abrir mais 14 agências especializadas no segmento em que já é líder, afinal, apresenta 63,8% do share de crédito rural no Sistema Financeiro Nacional.

O BB também diz que criará uma nova tipologia a ser acrescida à sua rede de unidades de atendimento: a loja. Focado na realização de negócios, este tipo de unidade não contemplará o serviço de guichê de caixa. A implantação ocorrerá em 145 dependências.

O banco também diz que avaliou todas as unidades de negócios e o resultado deste estudo culminará no encerramento de pontos, nas mudanças de tipologia e nas relocalizações de agências.

O órgão lançou, ainda, o Programa de Adequação de Quadros (PAQ), que incentiva o desligamento e as movimentações laterais para unidades onde existam vagas. Já o Programa de Desligamento Extraordinário (PDE) estimula apenas a primeira opção citada.

As mudanças ocorrerão a partir do dia 22 de fevereiro deste ano e, segundo o BB, serão precedidas de ampla comunicação aos clientes em canais diversificados, como SMS, aplicativo, Internet Banking, terminais de autoatendimento, correspondências, e-mail marketing, além de cartazes nas agências.

Ler matéria completa