Bauru e grande região

Geral

Capitão Augusto e Suéllen iniciam mobilização para manter radioterapia

Segundo a prefeita, que esteve na Capital ontem, o Estado prometeu que fará o possível para garantir o serviço em Bauru

por Cinthia Milanez Marcele Tonelli

14/01/2021 - 05h00

Divulgação

O Naic possui três aceleradores lineares para fazer a radioterapia nos pacientes

Após a notícia sobre a grande possibilidade de Bauru perder a radioterapia pelo Sistema Único de Saúde (SUS), o deputado federal Capitão Augusto e a prefeita Suéllen Rosim deram início à mobilização para manter o serviço na cidade. A chefe do Executivo municipal se reuniu, nesta quarta-feira (13), com representantes do governo estadual, incluindo o vice-governador Rodrigo Garcia. Segundo Suéllen, o Estado se comprometeu em fazer o possível para manter o tratamento, que é fundamental para a luta contra o câncer, em Bauru.

A notícia sobre a provável perda da radioterapia no sistema público do município foi divulgada, ontem, em primeira mão pelo JC. Na ocasião, o titular da Secretaria Municipal de Saúde, Orlando Costa Dias, revelou ter sido informado sobre o fim do convênio do Estado com o Nair Antunes Instituto do Câncer (Naic), único responsável pela prestação deste tipo de serviço pelo SUS na cidade. Em breve, segundo o secretário, os pacientes de Bauru e outros 67 municípios da região terão de se deslocar até o Hospital Amaral Carvalho (leia mais abaixo), em Jaú.

O deputado federal Capitão Augusto revela que, logo após saber do assunto, a sua assessoria, em Bauru, já pediu uma reunião com a Diretoria Regional de Saúde (DRS-6) para terça (19) ou quarta-feira (20) da semana que vem.

Em seguida, o parlamentar promete contatar os governos estadual e federal. "Eu tenho uma ótima relação com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, que é militar como eu, e já ajudei o Estado de São Paulo. Não tem cabimento isso. Uma cidade com o tamanho de Bauru deveria ser referência nesta área oncológica", acrescenta.

Assim que saiu da reunião com o governo estadual, ontem, a prefeita Suéllen Rosim publicou um vídeo no seu perfil do Instagram. Na ocasião, além das demandas envolvendo a volta às aulas e as vagas de internação hospitalar (leia mais na página 4), a chefe do Executivo municipal falou sobre a mobilização para impedir o fim do contrato da radioterapia. "Eu já apresentei o pedido ao governador para que o serviço não seja interrompido em hipótese alguma", observou.

Ao JC, ela afirma que o Estado confirmou, inicialmente, que o contrato com o Naic se encerrará no dia 25 de fevereiro deste ano. "Porém, eles se comprometeram em fazer o possível para prorrogar ou renovar o convênio, mantendo a radioterapia em Bauru", reforça.

Além do vice-governador Rodrigo Garcia, Suéllen esteve com alguns representantes da Secretaria de Governo do Estado de São Paulo e da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, além de prefeitos de outras cidades.

'ESTARRECIDO'

Por meio de suas redes sociais, o ex-deputado estadual e médico mastologista Pedro Tobias disse estar "estarrecido" com a notícia de que o Estado poderá acabar com o "essencial serviço de radioterapia realizado em Bauru".

Ainda na publicação, ele considera "um absurdo e total falta de respeito aos pacientes com câncer" o fato de terem de se deslocar para outra cidade em busca da radioterapia e, depois, retornar a Bauru.

O médico destaca, também, a importância das autoridades locais, das associações de combate ao câncer, das famílias dos pacientes e de toda a sociedade se mobilizarem contra a decisão do governo estadual, "que demonstra não ter nenhum apreço por Bauru e por nossa região".

RESPOSTA

A reportagem voltou a questionar o governo estadual sobre o assunto e, mais uma vez, a assessoria de comunicação da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo fala apenas no tempo presente, sem dar detalhes do que ocorrerá no próximo mês.

A pasta informa, ainda, que "vem garantindo este tipo de tratamento para pacientes da região por meio de hospitais de referência, contando com o convênio com o Centro de Radioterapia de Bauru, que segue vigente".

Ainda segundo nota da Secretaria do Estado da Saúde, o Hospital Estadual de Bauru aguarda a conclusão da instalação do serviço de Radioterapia pelo Ministério da Saúde, que se iniciou em 2018 e foi paralisada em 2019, sem qualquer retomada até o momento.

"A medida é essencial para ampliar a capacidade de assistência na região. De todo modo, o Estado vem garantindo este tipo de tratamento para pacientes da região por meio de hospitais de referência, contando ainda com convênio com o Centro de Radioterapia de Bauru, que segue vigente. Assim, a assistência segue garantida com este serviço e demais hospitais que atuam na área de oncologia", conclui.

'Seria um caos'

Presidente do Grupo Amigas do Peito, em Bauru, Marta Angélica Raimundo afirma que a entidade recebeu a notícia da possível extinção da radioterapia pelo SUS na cidade com preocupação. "O tratamento, geralmente, não se limita a uma única sessão. Além do custo do deslocamento, tem o cansaço, que já é um efeito colateral comum aos pacientes", comenta.

Diante disso, a instituição pretende se mobilizar, mas sem prejudicar a saúde das mulheres vinculadas à mesma, afinal, muitas delas pertencem ao grupo de risco para a Covid-19. "A ideia é montar uma comissão para discutir o assunto direto com a prefeita ou, até mesmo, entregar um abaixo-assinado ao Estado", revela.

A diretoria do grupo ficou de debater os próximos passos em uma reunião marcada para esta quinta-feira (14).

Amaral Carvalho diz ter estrutura para atender a demanda

Questionada sobre o impacto para a unidade de saúde, caso haja a transferência desta responsabilidade para o Amaral Carvalho, em Jaú, a diretora de Desenvolvimento em Saúde do hospital, Cristina Martins Moro, alega que o local possui estrutura para atender a demanda. "Atualmente, 170 pessoas fazem radioterapia no Amaral Carvalho a cada dia e não temos fila de espera", reforça.

Já a demanda do Naic, conforme informações do próprio instituto, gira em torno de 90 pacientes, contando com aqueles que estão há quatro meses aguardando uma vaga.

Diante disso, a diretora do Amaral Carvalho esclarece que a unidade projeta atender, ainda em janeiro, 40 pessoas já da demanda de Bauru. As demais deverão ser assistidas em fevereiro - lembrando que o Naic deixará de prestar o serviço para o Estado, segundo o próprio instituto, a partir do dia 25 do próximo mês.

Ler matéria completa