Bauru e grande região

Geral

Videomonitoramento deve começar semana que vem

Terceirizada da Prefeitura instalará software no Copom; largada deve ocorrer com cinco das 10 câmeras aptas para uso

por Bruno Freitas

21/01/2021 - 05h00

Malavolta Jr.

A 3.ª câmera foi instalada em poste do cruzamento da Nações com a Nuno

Com a instalação já programada de um avançado software no Centro de Operações da Polícia Militar (Copom), o videomonitoramento em Bauru deve, enfim, começar na semana que vem. Nesta terça-feira (19), a terceira câmera - de um total de dez - foi instalada no cruzamento das avenidas Nações Unidas e Nuno de Assis. Mesmo faltando ainda a instalação de sete dispositivos, a Polícia Militar está otimista para começar este trabalho de forma imediata. Isso, claro, mediante a estrutura disponível. O Setor de Informática da Prefeitura garante, sem informar o dia exato, que, tecnologicamente, o sistema poderá ser utilizado na semana que vem.

Segundo o tenente Lemos, porta-voz do Comando de Policiamento do Interior-4 (CPI-4), o Copom está apto a começar o videomonitoramento com qualquer número de câmeras disponibilizadas, junto com o software Genetec. Para que isso seja feito, a empresa terceirizada vencedora da licitação, a Fonesat, acompanhada por equipe técnica da prefeitura, precisa fazer a configuração. A Fonesat deve instalar também, na semana que vem, outras duas câmeras, totalizando cinco das dez adquiridas.

Esperado por anos pelos bauruenses, o último prazo para o videomonitoramento era abril do ano passado. O motivo de estar sendo executado apenas agora, segundo a prefeitura, foi pela Fonesat pedir reequilíbrio financeiro, na época da pandemia, alegando a alta do dólar. O custo deste videomonitoramento foi de cerca de R$ 700 mil, sendo R$ 300 mil de verba parlamentar obtida pelo deputado federal Capitão Augusto e outra fatia de contrapartida do Executivo municipal.

Segundo o coordenador de Informática da Prefeitura, Wellington Silva, toda a aparelhagem está no almoxarifado do município, à disposição da Fonesat. Neste custo tecnológico, estão inseridos: dez câmeras de alta definição, com infravermelho de 200 metros, zoom 30x em alta definição e giro de 360 graus; os postes; caixas de armazenagem dos equipamentos; nobreaks; servidor; software; os controles; e serviços. Todos os endereços foram definidos pela PM.

Ler matéria completa