Bauru e grande região

Geral

Covid: 200 casas serão visitadas em etapa final de estudo

Desta vez, mais de mil moradores serão ouvidos no município, dividido em 25 setores

31/01/2021 - 05h00

Profissional de campo conversa com moradores, durante pesquisa

Bauru segue entre os 133 municípios brasileiros que participam do estudo Epicovid-19 BR 2: Inquérito Nacional de Soroprevalência de Acesso Expandido, realizado pela Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo, com apoio da Fapesp. Trata-se de uma sequência do trabalho coordenado no ano passado pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e realizado pelo Ibope Inteligência.

Agora, o estudo entra em sua fase final, quando 200 domicílios serão visitados na cidade, onde mais de mil pessoas vão ser consultadas, explica o infectologista, professor e pesquisador Marcelo Burattini, coordenador desta etapa do trabalho. De acordo com ele, desta vez, o levantamento teve início na última segunda-feira (25) e seguirá por duas ou três semanas.

Assim como nas outras localidades, Bauru será dividida em 25 setores censitários, nos quais serão selecionados aleatoriamente oito domicílios. Em cada uma das casas, os participantes da pesquisa respondem a um questionário com 15 questões sobre escolaridade, cor da pele, atividade econômica e condições de saúde, e todos os moradores serão testados para a identificação de anticorpos contra o novo coronavírus.

O inquérito utilizará testes sorológicos para identificação dos anticorpos Sars CoV-2 da classe IgG presente no soro. Esses testes permitirão aos moradores saberem se já tiveram contato com o vírus e se desenvolveram resposta de anticorpos ao mesmo, indicando proteção eventual. Para tanto, o projeto conta com a parceria do Grupo Hermes Pardini, laboratório de referência. Para fazer o trabalho, cinco equipes foram espalhadas pela cidade.

"Trata-se da fase mais abrangente do estudo, a mais importante da série de quatro fases realizada até agora. Isso porque acontece em um momento estratégico ao final do primeiro ano da epidemia", explica Burattini.

Por meio de sua assessoria de imprensa, a Prefeitura de Bauru e a Secretaria Municipal de Saúde informam que não possuem quaisquer responsabilidades e participação na realização desta pesquisa.

Ler matéria completa