Bauru e grande região

Geral

Coronavírus: média de óbitos cai, mas internações de casos graves preocupam

Na última semana, houve 1,57 morte por dia, ante a 2,86 na semana anterior; cenário da pandemia ainda é de alerta

por Tisa Moraes

23/02/2021 - 03h00

JuRehder

Covid - média móvel de casos

Depois de seis semanas seguidas com registros de alta, a média de mortes por Covid-19 teve queda em Bauru, chegando a 1,57 óbito por dia, o equivalente a três vidas perdidas a cada dois dias. No total, foram notificadas 11 vítimas fatais em sete dias, ante a 20 contabilizadas na semana anterior, de 8 a 14 de fevereiro, o que correspondeu a uma média de 2,86 óbitos, a maior desde a metade do mês de agosto do ano passado.

Já o índice de 1,57 morte por dia é semelhante ao registrado no início de janeiro deste ano, mas ainda superior às médias alcançadas em novembro e dezembro do ano passado. Portanto, a situação da pandemia na cidade ainda não equivale a um cenário de tranquilidade.

De acordo com dados extraídos dos boletins divulgados pela Prefeitura Municipal, o número de novos casos de infecção pelo coronavírus também diminuiu na última semana, mas segue em patamar elevado, de 120 notificações a cada dia. Apesar de o nível de contaminação não estar mais tão próximo do índice alarmante de 191 casos diários, contabilizado em meados de janeiro, a situação da pandemia em Bauru preocupa, também em função da taxa crítica de ocupação de leitos de UTI.

UTI EM 100%

Somente na UTI do Hospital Estadual, referência para atendimento de casos graves de Covid na rede pública, já são sete dias consecutivos com 100% de ocupação, sendo mais de 30 dias com índice acima de 94%. Em entrevista coletiva realizada nesta segunda-feira (22), o coordenador-executivo do Centro de Contingência de São Paulo, João Gabbardo, avaliou que o alto grau de ocupação dos leitos no Estado, com situação mais crítica nos municípios do Interior, pode ser resultado de internações de pacientes com quadros mais graves, que acabam permanecendo por mais tempo sob cuidados intensivos.

"Pode ser que, mesmo que não tenha ocorrido um aumento tão significativo de novos casos, os pacientes estejam sendo internados em uma condição mais grave, o que exige tempo maior de utilização dos equipamentos de UTI. E o Interior nos preocupa muito, com índices muito altos", completa.

Conforme o JC divulgou, a Secretaria Municipal de Saúde encaminhou ao Instituto Adolfo Lutz 50 amostras de material coletado de pacientes de Bauru para verificação de possível circulação, no município, da variante brasileira do novo coronavírus, conhecida como P1. A previsão é de que o resultado fique pronto até o início de março. Esta nova linhagem, acredita-se, talvez possa levar, com maior frequência, a progressões mais graves da doença, inclusive entre pacientes jovens e sem comorbidades.

Ler matéria completa