Bauru e grande região

Polícia

Polícia Civil desvenda fraude contra aplicativo de delivery

Suspeito, que foi preso, aplicava golpes com 'pacote' de dados de cartões de crédito

por Vitor Oshiro

18/03/2021 - 05h00

Polícia Civil/Reprodução

Homem é suspeito de aplicar golpes em aplicativo que comercializa comidas e mantimentos por delivery

A Polícia Civil de Bauru, por meio da 1.ª Delegacia de Investigações Gerais (DIG), da Divisão Especializada de Investigações Criminais (Deic), prendeu, nesta quarta-feira (17), um homem de 28 anos suspeito de aplicar golpes em um aplicativo bauruense que comercializa comidas e mantimentos por delivery. O prejuízo calculado pela empresa até o momento é de aproximadamente R$ 10 mil e F.L.V.S. (só as iniciais foram divulgadas) confessou ter comprado um "pacote" de dados de cartões de crédito para a prática criminosa.

Titular da 1.ª DIG, o delegado Cledson Nascimento conta que, há 15 dias, ele foi contatado pelo gerente corporativo da empresa, denunciando vários golpes relacionados a compras feitas por meio de cartões de crédito e que estavam sendo contestadas pelas operadoras.

Para utilizar a plataforma, o usuário precisa se cadastrar, com nome, telefone, endereço e e-mail, e colocar a forma de pagamento, no caso, o cartão crédito. "A empresa começou a verificar que alguns pedidos rejeitados por inconsistência nas informações eram refeitos na sequência. Para se ter uma ideia, em um mesmo dia, houve 25 tentativas de compra com o mesmo perfil, usando, em cada um deles, uma informação de cartão de crédito diferente", relata o delegado.

Além desse fato, que já gerou suspeitas, administradoras de cartões começaram a contestar várias compras feitas por meio da plataforma bauruense nesse período. O prejuízo, por enquanto, gira em torno de R$ 10 mil, visto que, além de restaurantes credenciados, o aplicativo conta com supermercados e outros estabelecimentos para delivery.

INVESTIGAÇÕES

Através de verificação interna, a Polícia Civil foi informada de que as entregas suspeitas de fraude eram invariavelmente realizadas em dois endereços principais: um na Vila Cidade Universitária e outro no Pousada da Esperança. "No trabalho de campo, foi verificado que um deles seria o endereço de um rapaz e o outro de sua namorada", pontua o delegado.

O SAC da empresa alvo do golpista chegou, na última semana, a ir até um dos endereços. Na ocasião, um homem disse que seu sobrinho havia feito a compra.

Diante disso, foi solicitado que, em caso de suspeita, a plataforma comunicasse a equipe da DIG, a qual acompanharia o pedido. E, ontem, foram feitas compras em uma churrascaria e um estabelecimento de doces. A entrega dos produtos, de acordo com o delegado, seria feita em uma empresa de materiais de construção no Mary Dota.

"O gerente da empresa vítima dos crimes ligou na loja de materiais de construção e foi informado de que não havia ninguém com o nome da pessoa que havia feito o pedido ali e tampouco havia sido feito comprado algo. Assim, no momento em que o motoqueiro efetuou a entrega no local indicado, foi realizada a abordagem, sendo detido F.L.V.S.", detalha Cledson Nascimento.

'PACOTE' DE DADOS

Conduzido à Delegacia de Investigações Gerais, o suspeito, ainda de acordo com o delegado, disse que não iria fornecer a senha do seu telefone celular para ser verificado se ele possuía instalado o aplicativo da empresa alvo dos golpes.

"Na presença de seu advogado, ele revelou que teria adquirido um 'pacote' contendo dados de cartões de crédito que serviriam apenas para pedidos de plataforma de delivery em questão e que gerava dados e números de CPF inexistentes por meio de um site", complementa Nascimento.

Assim, considerando as investigações anteriores, o esquema fraudulento de aquisição e dos dados inexistentes usados por F.L.V.S., o delegado prendeu o homem em flagrante. Ele seria encaminhado à Cadeia Pública de Avaí, onde ficará à disposição da Justiça.

Ler matéria completa