Bauru

Geral

Estado reduz dez leitos de UTI para Covid no Hospital Estadual

Quatro dias após aumentar 30 vagas no hospital de campanha do HC, Estado diminui 10 leitos de UTI no Hospital Estadual

por Marcele Tonelli

24/08/2021 - 05h00

Malavolta Jr.

O Hospital Estadual de Bauru conta, hoje, com 40 leitos de UTI e 68 de enfermaria para o tratamento da Covid-19; no início de agosto, unidade tinha 60 vagas de UTI para a doença

A rede hospitalar estadual que atende casos de Covid-19 de Bauru e região voltou a registrar alteração nas vagas, diante do arrefecimento da pandemia. No último domingo (22), o Hospital Estadual (HE), que é considerado referência para o atendimento da doença, teve o número de leitos de UTIs destinados à Covid reduzidos de 50 para 40 vagas.

A mudança ocorreu quatro dias após o governo do Estado ativar 30 leitos (10 de UTI e 20 de enfermaria) no hospital de campanha do futuro Hospital das Clínicas (HC) da USP. Nos bastidores, há quem diga que estaria em curso uma desmobilização dos leitos Covid-19 do HE para transferência de boa parte dessas vagas para o hospital de campanha (leia mais ao lado).

No início de agosto, Bauru possuía total de 70 leitos de UTI (sendo 60 no HE e 10 no HC) e 108 leitos de enfermaria (sendo 64 no HE e 40 no HC) voltados para o tratamento do novo coronavírus. Na ocasião, o Departamento Regional de Saúde de Bauru (DRS-6) contabilizava 358 leitos clínicos e 245 UTIs para a doença na região, considerando 14 hospitais de referência para a doença em 11 cidades.

Em 10 de agosto, quando as alterações de leitos mais recentes começaram, a taxa de ocupação de leitos para Covid-19 em Bauru era inferior a 35%, nas enfermarias, e a 60%, nas UTIs. Naquela data, o Hospital Estadual passou por rearranjos e as UTI foram reduzidas de 60 para 50 leitos. O Estado foi questionado e, na época, alegou a criação uma nova nomenclatura para os 10 leitos reduzidos, que passaram a ser considerados "vagas de suporte ventilatório", não mais de UTI.

AUMENTO

Em 18 de agosto, conforme o JC noticiou, a rede hospitalar voltou a registrar mudanças, desta vez, com acréscimo de leitos, embora as taxas de internação continuassem caindo. O hospital de campanha do HC ganhou 30 novos leitos, sendo 10 de UTI e 20 leitos clínicos. Com isso, a unidade passou a contar com 20 leitos para tratamento intensivo e 60 para internação em enfermaria.

Vale lembrar, contudo, que essa alteração ocorreu em cumprimento a um acordo firmado diante de uma decisão judicial transitada em julgado. Autor da ação, datada de 2013, o Ministério Público Estadual busca combater o problema crônico das filas de espera por internação em Bauru e região.

REDUÇÃO

Em 22 de agosto, quatro dias depois do acréscimo de leitos, o Estado a reduziu novamente a UTI no Hospital Estadual. De 50 leitos Covid, a UTI do HE passou a contar com 40 leitos para a doença, além dos 10 de suporte ventilatório e dos 108 de enfermaria, que não sofreram alterações.

Essa última alteração não atingiu o HC, que continuou com as 20 vagas para UTI e 60 para enfermaria.

Com esta segunda e última redução, até o momento, ocorrida apenas neste mês de agosto, o DRS-6 passou a contabilizar total de 231 vagas de UTI e 378 clínicas para atendimento de pacientes com diagnóstico ou suspeita do novo coronavírus.

Em tempo: a taxa de ocupação dos leitos nesta segunda-feira (23), em Bauru, era de 13%, na enfermaria, e de 50%, na UTI, do Hospital Estadual. No hospital de campanha no HC, a ocupação era de 3%, na enfermaria, e de 50%, na UTI.

Transferência?

Há quem diga, nos bastidores, que a redução de leitos no Estadual ocorre como forma de transferir boa parte das vagas de Covid-19 para o hospital de campanha. Com isso, o HE ficaria mais liberado para a retomada de vagas em outras especialidades, já que a demanda reprimida foi agravada durante o tempo prolongado de pandemia. A Secretaria de Estado da Saúde, contudo, não se posiciona sobre o assunto, apenas reforça que tem avaliado constantemente o cenário epidemiológico para a tomada de decisões relativas à redistribuição de leitos. A pasta também não confirma se as vagas abertas no HC serão remanejadas para outra unidade quando o funcionamento do hospital de campanha, no contexto da pandemia, for encerrado. Se as vagas permanecessem de forma definitiva no local, a abertura do Hospital das Clínicas seria viabilizada de vez.

Ler matéria completa

×