Bauru

Geral

Suéllen autoriza reajuste de circulares para R$ 4,85

Empresas do sistema municipal estavam sem aumento há dois anos; Conselho fez críticas

15/01/2022 - 05h00

Samantha Ciuffa/JC Imagens

Suéllen Rosim, prefeita de Bauru, decretou o aumento da tarifa

A prefeita Suéllen Rosim decretou, nesta sexta-feira (14), o novo valor para os circulares em Bauru. A tarifa básica será de R$ 4,85, um reajuste de 15% em relação ao que os usuários desembolsam atualmente (R$ 4,20). Os estudantes pagarão metade do novo preço: R$ 2,43. Os valores aumentados passarão a ser praticados daqui a um mês.

O reajuste está publicado no Diário Oficial do Município deste sábado (15) e ocorreu após o Conselho de Usuários do Transporte Coletivo ter sido convocado duas vezes nesta semana para tomar conhecimento da decisão da prefeita, o que gerou mal-estar entre parte dos membros do órgão.

Ao anunciar o novo valor dos circulares, o governo municipal informou aos conselheiros que um acordo foi fechado entre a prefeitura e a Associação das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Bauru (Transurb) para pôr fim à ação judicial que é movida pelas empresas que fazem o transporte, devido à falta de correção da tarifa nos dois últimos anos.

Após estabelecido o novo preço da passagem dos ônibus circulares de Bauru e com a informação de que as empresas já aceitaram a proposta da prefeitura, os conselheiros decidiram cancelar uma reunião que fariam nesta segunda-feira (17) para tratar do assunto.

Sobre a decisão de Suéllen, houve posições divergentes entre os membros do Conselho, mas, como o órgão é apenas consultivo, sem poder de deliberar a respeito, foi feita uma ata da reunião, acatando a decisão da prefeitura.

QUESTIONAMENTOS

Para o vice-presidente do Conselho de Usuários, Pedro Romualdo, a decisão da prefeita Suéllen Rosim pode ser questionada a qualquer momento na Justiça, uma vez que não teve a participação efetiva do órgão, que, mesmo reunido para receber a informação pronta, estava sem quórum. "Não entro no mérito do preço das tarifas, mas no encaminhamento do processo", disse Romualdo à coluna Entrelinhas.

Para ele, não só a lei foi desrespeitada pelo Executivo, mas a própria constituição do Conselho de Usuários. "Eu me senti desrespeitado como conselheiro, porque não nos deram condição de discutir. Passaram um rolo compressor, fomos atropelados, porque a prefeita já tinha tomado a decisão e se acertado com as empresas", opinou.

Ler matéria completa

×