Bauru

Geral

Conselho cobra urgência para criação de USF no Manchester e Ouro Verde

Prefeitura diz que acompanha o assunto e que já fez diagnóstico para elaborar projetos de concessão das unidades

por Marcele Tonelli

23/06/2022 - 05h00

Paulo Eduardo Campos/Prefeitura de Bauru/Arquivo

Conselho Municipal de Saúde elenca como modelo a ser seguido para unidades nos bairros em questão a USF da Vila Dutra (fotos acima e abaixo)

O Conselho Municipal de Saúde (CMS) oficiou o município nesta semana para cobrar urgência na criação de duas novas Unidades de Saúde da Família (USFs) em Bauru, uma no Jardim Manchester e a outra no Jardim Ouro Verde. Segundo o CMS, aproximadamente 15 mil habitantes do Manchester e 20 mil moradores do Ouro Verde, além de percorrerem grande distância e obstáculos viários para acesso ao atendimento da rede básica, têm sofrido com longas esperas por consultas, já que os serviços existentes em bairros mais próximos estariam praticamente saturados.

Em nota, a prefeitura diz que a Secretaria Municipal de Saúde acompanha o assunto e que já fez um diagnóstico para elaborar, posteriormente, projetos de concessão das unidades, mas não dá prazos (leia mais adiante).

Membro do conselho de Saúde, Rose Lopes afirma que desde janeiro deste ano a entidade tem provocado o município sobre a necessidade de unidades de atenção básica aos bairros em questão.

No dia 2 de junho, o assunto foi novamente colocado em reunião com a secretária da pasta, Alana Trabulsi.

"De imediato, a secretaria de Saúde se propôs a iniciar, junto com a Obras, a procura de um local nos bairros para abrigar as unidades. Mas, nesta semana, nós formalizamos a urgência e pedimos para que o município tente alugar um imóvel ao invés de construir, porque esse segundo processo levaria muito mais tempo. E, para uma USF, basta adaptar uma casa que tenha 3 quartos, 2 banheiros, sala grande, cozinha e área boa ou garagem", destaca Lopes, elencando como modelo a configuração da planta da USF Vila Dutra.

NECESSIDADES

A urgência, segundo ela, se dá em razão do crescimento populacional, ocorrido nas imediações dos bairros citados, e das dificuldades enfrentadas por quem precisa acessar a rede básica.

"O posto de Saúde mais próximo ao Jardim Manchester fica a mais de 3 quilômetros de distância e do outro lado da rodovia. Só que nem passarela para a população existe ali", pontua Rose Lopes.

Já a região do Jardim Ouro Verde, segundo ela, possui uma população de 20 mil habitantes, formada por moradores de habitações sociais, do Granja Cecília e Jardim Vitória. "As unidades mais próximas por lá são as UBSs (Unidades Básicas de Saúde) Vila Ipiranga e Independência, que não dão mais conta de tudo, uma consulta leva mais de 2 meses. Sem falar na falta de médicos que ocorre nesses locais", detalha a conselheira.

Ela ressalta a importância de ampliar a atenção básica especialmente para o atendimento aos que vivem na linha da pobreza. "São bairros possuem muitas famílias vivendo com renda mensal de até R$ 80,00 por pessoa, por isso a importância do atendimento multidisciplinar da UFS. Para poder acompanhar questões como a pesagem de crianças, a vacinação, o atendimento odontológico. São ações que previnem doenças e até endemias", explica Lopes.

PERFIL

Além do perfil multidisciplinar de atendimento, a cobrança por USFs ocorre em função de o Programa de Saúde da Família ser tripartite, o que garantiria o custo dessas unidades bancado também pela União e o Estado. Diferentemente das UBSs, que possuem custeio municipal.

"A prefeitura só precisa viabilizar como contrapartida o local e a infraestrutura para a USF, porque o custo é coberto pela União. E, ao que sabemos, há verba para isso, pois o município gastou apenas 15% do orçamento com Saúde, quando podemos atingir 25%", esclarece Lopes.

SEM PRAZO

Em nota, a prefeitura diz que, apesar de ter feito o diagnóstico, ainda não tem prazo definido para a construção, "pois antes devem ser elaborados projetos e também é preciso ter disponibilidade de recursos para as obras".

A Secretaria de Saúde destaca ainda que, nos últimos anos, promoveu investimentos em unidades de saúde da atenção básica, como a construção de duas novas UBSs no Jussara/Celina e no Chapadão/Mendonça, e um novo prédio para a UBS do Nova Esperança. "A UBS do Jardim Godoy e a USF da Vila São Paulo receberam melhorias, com reforma e ampliação", acrescenta o município.

A pasta frisa também o investimento na ampliação da carga horária de uma USF e de UBSs, que passaram a funcionar de segunda a sexta-feira, até as 19h.

Carência

O Conselho de Saúde destaca ainda que, atualmente, Bauru possui carência de até 20 unidades voltadas para a atenção básica, em decorrência do surgimento de novos bairros nos últimos anos.

"O município tem capacidade para conseguir mais 30 equipes mínimas para USFs. Cada equipe dessa consegue atender cerca de 4 mil pessoas. Estamos tentando viabilizar de forma mais urgente para esses dois bairros, mas sabemos que existem outros pontos da cidade que precisam de atenção", finaliza Rose Lopes.

Ler matéria completa

×