Bauru e grande região

Internacional

OMS teme que epidemia saia do controle

Casos de coronavírus fora da China "podem ser fagulha" para incêndio maior, alerta Organização Mundial de Saúde

por Shivani Sinh

11/02/2020 - 06h00

China Daily/ via Reuters

Pessoas com máscaras fazem compras em supermercado em Wuhan, epicentro da crise

Genebra - A Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou nesta segunda-feira (10) que a propagação de casos do coronavírus entre pessoas que não estiveram na China poderia ser "a fagulha que se torna um incêndio maior" e que a raça humana não pode deixar que a epidemia saia do controle. 

A província chinesa de Hubei, epicentro de um surto de coronavírus, registrou 2.097 novos casos e 103 novas mortes em 10 de fevereiro, informou a autoridade de saúde local nesta terça-feira (horário local).

Antes desses dados, porém, por volta das 2h (horário de Brasília) na segunda-feira 40.235 casos haviam sido confirmados na China e 909 mortes, assim como 319 casos em 24 outros países, incluindo uma morte, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus. Ou seja, o número já ultrapassou mil mortes.

Na China continental, onde as pessoas estão aos poucos voltando ao trabalho após um feriado estendido de Ano Novo Lunar, 3.062 novos casos foram confirmados no domingo, de acordo com a Comissão Nacional de Saúde.

JAPÃO

O navio de cruzeiro Diamond Princess com 3.700 pessoas - entre passageiros e tripulação -  a bordo continuava em quarentena no porto japonês de Yokohama, com mais 65 casos detectados, elevando o número de casos confirmados na embarcação para 135.

As preocupações com o coronavírus mantiveram os investidores nos chamados portos seguros, elevando a cotação do ouro e fazendo o dólar atingir na segunda-feira o nível mais alto em quatro meses em relação ao euro.

Na Europa, as ações de empresas automobilísticas expostas à China tiveram forte queda, enquanto os preços do petróleo, minério de ferro e cobre caíram por conta da demanda mais fraca chinesa em função do surto da doença. 

A British Airways cancelou todos os seus vôos para a China até o final de março.

Ler matéria completa