Bauru e grande região

 
Internacional

Uruguai quer diminuir entrada de brasileiros para colheita de cana

Todos os anos, cerca de 1.500 trabalhadores vão para Bella Unión

por FolhaPress

21/05/2020 - 06h00

Montevidéu - Preocupado com a subida do Brasil no ranking dos países com mais casos do novo coronavírus, o Uruguai está desestimulando a participação de brasileiros na colheita da cana-de-açúcar, que começou nesta quarta-feira (20) e dura cinco meses. Todos os anos, cerca de 1.500 trabalhadores cortam cana na safra na cidade de Bella Unión, no norte uruguaio, que faz fronteira com a gaúcha Barra do Quaraí, a 608 km de Porto Alegre, e com Monte Caseros, na Argentina.

Na safra de 2019, cerca de 160 brasileiros atuaram no país vizinho, de acordo com Luis Rolin, secretário geral da União de Trabalhadores Açucareiros de Artigas (UTAA). Neste ano, a expectativa é que o total de brasileiros não chegue a 40 -uma redução de 75%.

No início do mês, o ministro da Saúde, Daniel Salinas, visitou a cidade de Artigas, capital do departamento ao qual pertence Bella Unión, e anunciou um protocolo sanitário para evitar a proliferação do novo coronavírus pelas fronteiras.

Isso por conta dos números da pandemia: enquanto o Brasil somava 271.628 casos de contaminação e 17.971 mortes até quarta-feira (20), o Uruguai contava apenas 738 diagnósticos e 20 mortes.

Barra do Quaraí ainda não tem registro da doença, mas cidades brasileiras mais próximas como Quaraí e Uruguaiana somavam 21 casos até quarta.

De acordo com o novo protocolo, os brasileiros precisam ficar pelo menos seis dias em quarentena assim que chegam às fazendas onde ficarão alojados durante a temporada.

Além disso, as saídas das fazendas para retornar ao Brasil e visitar as famílias, antes autorizadas a cada 15 dias, agora serão liberadas apenas a cada 30 dias durante os cinco meses de colheita. E a cada retorno ao Uruguai a quarentena deve ser repetida. Mais do que dificultar a entrada dos trabalhadores, há quem defenda que os produtores radicalizem e não contratem brasileiros de jeito nenhum.

Ler matéria completa