Bauru e grande região

Internacional

Reino Unido já controla a pandemia

Vacina derruba hospitalização e Inglaterra já mapeia relaxamento de medidas, mas não inclui contatos internacionais

por FolhaPress

23/02/2021 - 03h00

Simon Dawson / Nº 10 Downing Street

Boris Johnson foi ao Parlamento falar sobre o enfrentamento

Bruxelas - Um programa acelerado de vacinação e o confinamento rigoroso reduziram os casos graves de Covid-19 no Reino Unido e já permitem pensar em alguma abertura, mas as viagens internacionais para a Inglaterra, porém, não devem voltar ao normal antes de 17 de maio, disse nesta segunda (22) o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson. Justamente porque o esquema de vacinação deu tão certo que o governo acha cedo para comprometer 

Os britânicos foram pioneiros em aprovar vacinas e botar em marcha um programa amplo, que já deu ao menos a primeira dose aos grupos mais suscetíveis. A previsão é que todos os adultos estejam vacinados até o final de julho. 

Na Escócia, resultados de um estudo nacional mostraram que, quatro semanas após a primeira dose das vacinas da Pfizer ou da AstraZeneca, o risco de hospitalização caiu 85% e 94%, respectivamente. "Parece haver diferença entre grupos etários, mas a redução nas hospitalizações para os mais idosos ainda é impressionante", disse Arne Akbar, presidente da Sociedade Britânica de Imunologia.

Na Inglaterra, houve queda de cerca de 70% nas infecções entre profissionais de saúde que receberam a primeira dose da vacina Pfizer/BioNTech.

A pesquisa, feita por pesquisadores de cinco universidades em consórcio com o sistema de saúde escocês, é a primeira a relatar o efeito da vacinação em um país inteiro, e compara as taxas de hospitalização entre aqueles que receberam e não receberam a primeira dose da vacina. 

Os dados foram coletados de 8 de dezembro a 15 de fevereiro deste ano, período no qual 21% dos 5,4 milhões de escoceses receberam a primeira dose --1,14 milhão de injeções foram administradas, 650 mil da Pfizer e 490 mil de Oxford/AstraZeneca.

RETORNO

A redução da pressão nos sistemas de saúde levou Boris Johnson a anunciar  um plano de relaxamento do confinamento imposto na Inglaterra (Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte tomam suas próprias decisões). As etapas virão em intervalos de cinco semanas, para permitir a análise de dados do impacto de cada uma.

Escolas serão reabertas em 8 de março, quando será possível duas pessoas de famílias diferentes voltarem a se encontrar. A partir de 29 de março, será possível se encontrar com familiares em parques e praticar esportes ao ar livre.

Cabeleireiros e lojas não essenciais e lugares que servem refeições ao ar livre reabrem a partir de 12 de abril. Restaurantes e pubs poderão atender em ambientes fechados a partir de 17 de maio. Até seis pessoas de duas famílias poderão se encontrar dentro de casa.

'Não falta vacina'

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, afirmou nesta segunda-feira, 22, que o país "não tem problemas no momento" com a oferta de vacinas contra a Covid-19. "Estou confiante de que poderemos cumprir nossas metas" na vacinação, comentou, durante sessão do Parlamento na qual apresentou o plano de seu governo para uma reabertura gradual da economia.

Johnson também comentou que há diálogo em andamento com as farmacêuticas para a fabricação de atualizações das vacinas, a fim de combater novas variantes do vírus.

Ler matéria completa