Bauru

Internacional

Rússia decreta feriadão de sete dias para conter salto da Covid

País enfrenta a maior taxa de mortalidade diária da pandemia no mundo; casos crescem em ex-repúblicas soviéticas

22/10/2021 - 05h00

Kremlin

Vladimir Putin em recente reunião com líderes dos estados russos: vacina é rejeitada

Moscou - A Rússia decretou um feriado de sete dias para conter o avanço de uma quarta onda de Covid-19, num momento em que os países do Leste Europeu registram as mais baixas taxas de imunização do bloco europeu devido à relutância generalizada de sua população em se vacinar

Segundo o presidente Vladimir Putin, o período de 30 de outubro a 7 de novembro será de "dias não úteis", mas remunerados, e as regiões do país têm autonomia para estender o fechamento dos espaços de trabalho por mais tempo em resposta às condições locais.

CASOS TRIPLICAM

As novas medidas foram anunciadas um dia após o Kremlin relatar uma média móvel de 971 mortes relacionadas ao coronavírus, o maior número médio desde o início da pandemia. Houve um dia com mais de mil mortes. Há 30.914 novos casos do vírus na média das últimas 24 horas, segundo dados do Our World in Data, ligado à Universidade Oxford, no Reino Unido.

Na terça-feira passada (19/10) o prefeito da capital, Moscou, já havia anunciado uma quarentena de quatro meses para maiores de 60 anos não vacinados. 

A Rússia foi um dos primeiros países a desenvolver uma vacina contra Covid-19, a Sputnik V, aprovada em maio, mas não conseguiu convencer grande parte de sua população a tomá-la, com apenas 34,4% dos russos tendo recebido ao menos uma dose e 31,3% o ciclo vacinal completo, segundo informações do Our World in Data. O país enfrenta a maior taxa de mortalidade diária da pandemia no mundo.

Ex-bloco comunista

A hostilidade pública à vacinação também atingiu outras ex-repúblicas soviéticas do Leste Europeu, como a Letônia, que anunciou nesta quarta-feira nova quarentena de 30 dias, e a Romênia, onde o estoque de caixões foi zerado nesta semana, depois que o país atingiu a maior taxa per capita de mortes por covid, com uma pessoa morrendo a cada cinco minutos.

Além da Romênia, os Estados da União Europeia com as taxas de vacinação mais baixas também fazem parte do antigo bloco comunista oriental, incluindo Bulgária, Croácia, Polônia, Letônia e Estônia. Apenas 34% dos adultos romenos receberam ao menos uma dose e 30% estão com o ciclo vacinal completo, em comparação com, respectivamente, 68% e 64% em toda a UE.

Ler matéria completa

×