Bauru

Internacional

Papa tira poder e independência da Opus Dei em reforma no Vaticano

Agora, a Opus Dei terá que informar ao Vaticano sobre a situação interna da organização e o desenvolvimento do seu trabalho apostólico

por FolhaPress

05/08/2022 - 10h01

Vatican Midia News

Papa Francisco

Roma - Começou a valer na última quinta-feira (4) uma reforma do papa Francisco que retira a parcial independência da Opus Dei. A medida, anunciada no final de julho, é apenas uma envolvendo a organização católica ultraconservadora.

Agora, a Opus Dei terá que informar ao Vaticano sobre a situação interna da organização e o desenvolvimento do seu trabalho apostólico. Antes, essa espécie de prestação de contas precisava ser repassada a cada cinco anos.

Na estrutura da Igreja Católica, a organização tinha o status de prelazia pessoal, que a permitia adotar uma hierarquia própria e expandir-se para vários territórios -o prelado, líder da organização, comanda o trabalho de sacerdotes e diáconos. Agora, porém, segundo a determinação de Francisco, o prelado será chamado de protonotário apostólico supernumerário (também designado como monsenhor) e estará impedido de ser considerado bispo e usar anel ou vestes episcopais.

Segundo o papa, o objetivo da mudança é tornar a Opus Dei uma organização "mais baseada no carisma do que na autoridade hierárquica". O jornal espanhol El País noticiou que Francisco acredita que as mudanças estão em sintonia com as ideias do padre Josemaria Escrivá de Balaguer, fundador da organização.

Acusada por seus críticos de ser uma espécie de seita secreta que busca o controle do poder dentro e fora do Vaticano, a Opus Dei foi criada em 1928. Ela está presente em mais de 60 países e tem 2.000 sacerdotes e 90 mil membros, incluindo políticos e empresários --o presidente do Equador, Guillermo Lasso, é um deles.

Ler matéria completa

×