Bauru e grande região

Nacional

Campos Neto vê forte desaceleração na economia externa

Presidente do BC acha que o mundo terá que conviver com indicadores em queda

por Estadão Conteúdo

13/08/2019 - 06h00

Marcelo Camargo/Agência Brasil

Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto

Brasília - O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, disse que existe uma forte desaceleração da economia no cenário exterior. Em março do ano passado, a expectativa de crescimento global era de 3,7% em 2019 e 3,6% em 2020. Essas projeções caíram para 3,3% neste e no próximo ano.

"O ano de 2019 começou e tivemos uma desaceleração na expectativa para 2020. Teremos um crescimento menor, mas muito provavelmente com os números da Europa e Ásia, e números importantes hoje da China, esse número tende a cair mais", disse o presidente do BC.

Segundo ele, as expectativas de juros em dezembro e março sinalizam um movimento de reprecificação nas economias externas. "O mundo enxerga que viveremos com juros mais baixos nos Estados Unidos, Inglaterra e Europa", acrescentou Campos Neto.

"A percepção que temos é a falta de instrumentos para lutar contra crescimento mais baixo", resumiu Campos Neto, em evento do Santander Brasil.

PIB E DÓLAR

Expectativa de alta para o PIB em 2019 passa de 0,82% para 0,81% no Focus do Banco Central divulgada nesta segunda-feira. Para 2020, o mercado financeiro manteve a previsão de alta do PIB em 2,10%, mesmo valor projetado quatro semanas atrás.

A segunda-feira foi de nervosismo no mercado de câmbio e o dólar chegou a superar R$ 4,00, influenciado pela Argentina e o temor da volta da esquerda ao poder no país vizinho. Pela tarde, os ânimos se acalmaram aqui, quando o peso reduziu o ritmo de alta após o banco central argentino injetar recursos no mercado e subir os juros, mas o clima de cautela prosseguiu. O dólar à vista fechou em alta de 1,09%, a R$ 3,9834, maior nível desde 28 de maio, quando terminou em R$ 4,02.

 

Ler matéria completa