Bauru e grande região

 
Nacional

Dólar cai para R$ 5,58 e fecha no menor valor em duas semanas

Nesta quinta-feira, o real foi a moeda com melhor desempenho ante o dólar em uma cesta de 34 divisas internacionais

por Estadão Conteúdo

22/05/2020 - 06h00

Reuters

Noticiário doméstico teve peso determinante para a forte queda do dólar nesta quinta-feira

Brasília - Ao contrário de outras sessões desta semana, onde predominou a influência externa, o noticiário doméstico teve, nesta quinta (21), peso determinante para a forte queda do dólar, que fechou no menor nível desde o último dia 4. Primeiro foi o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, declarando que pode atuar mais no câmbio, se necessário. Depois, foi a reunião entre governadores, Jair Bolsonaro e o Congresso, mostrando clima mais pacificador e chegando a consenso sobre não reajustar salários de servidores.

Neste ambiente, o real foi, nesta quinta, a moeda com melhor desempenho ante o dólar em uma cesta de 34 divisas internacionais, em dia marcado por cautela no Exterior. A moeda americana subiu ante divisas fortes e alguns emergentes, em meio à deterioração das relações da Casa Branca com Pequim. No mercado doméstico, o dólar à vista fechou em R$ 5,5818, em queda de 1,88%. A moeda americana já acumula desvalorização de 4,4% na semana.

O operador e economista Alessandro Faganello, ressalta que o principal catalisador do mercado nesta quinta foi a promessa de Bolsonaro de sancionar em breve o projeto de socorro aos Estados, de R$ 60 bilhões. Ele também destaca declarações do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), ao afirmar que o encontro mostra "união" entre os Poderes, e foi pedido para que todos "deem as mãos e levantem a bandeira branca".

BOVESPA

A reação positiva do mercado aos sinais de entendimento entre União e Estados para manter sob controle os salários do funcionalismo até o fim de 2021 manteve o Ibovespa descolado do dia negativo no Exterior, com a relativa moderação da preocupação com a questão fiscal levando o índice de referência da B3 a testar a linha de 83 mil pontos, atingindo assim o maior nível intradia desde 29 de abril (então aos 83.598,01) e se aproximando também do nível de encerramento daquela sessão (83.170,80 pontos). Entre as blue chips, as ações de bancos puxaram a recuperação.

Assim, o Ibovespa conseguiu encadear a segunda alta, fechando o dia com ganho de 2,10%, aos 83.027,09 pontos, oscilando entre mínima de 81.317,11 e máxima de 83.308,96 pontos em sessão na qual o giro financeiro totalizou R$ 27,6 bilhões.

Ler matéria completa