Bauru e grande região

 
Nacional

Ryan: OMS avaliou mal capacidade de países enfrentarem a pandemia

Após 6 meses de emergência global, diretor da entidade admite erro e resposta lenta à estratégia para lidar com a Covid

por Estadão Conteúdo

01/08/2020 - 05h00

IOC/Greg Martin

Tedros Ghebreyesus, diretor da OMS: entidade faz "mea culpa"

O diretor de emergências da Organização Mundial da Saúde (OMS), Michael Ryan admitiu que a entidade pode ter presumido de maneira errada a capacidade da saúde pública em alguns países e deveria ter atuado nestes de maneira mais direta, em operações locais para combate à Covid-19. "Houve um resposta lenta, no geral, para reagir quanto a rastreamento de contatos, investigação de surtos locais, testagem. Ser capaz de elaborar uma estratégia compreensiva para lidar [com a doença]".

Além de apresentar diretrizes técnicas, Ryan disse que, tradicionalmente, a OMS também atua presencialmente em nações de renda média ou baixa, para prover assistência e direcionamentos. "Se eu pudesse voltar e mudar alguma coisa, acho que estaríamos melhor amparados ao oferecer essa operação".

EMERGÊNCIA 

Nesta quinta-feira (6), completaram-se seis meses que a organização classificou a pandemia como uma emergência de saúde global, o alerta internacional mais alto. Quando esse status foi atribuído ao vírus, em 30 de janeiro, havia apenas 100 casos da doença fora da China e nenhuma morte.

Segundo dados da Universidade Johns Hopkins, nos EUA, já são mais de 17 milhões de infecções registradas no mundo e quase 670 mil mortes. A líder da resposta técnica à Covid-19, Maria Van Kerkhove, disse que a ação global foi mista, com reação rápida em alguns locais. "Os países que agiram à altura foram aqueles que tiveram experiência direta com uma ameaça semelhante, como a Sars (Síndrome Respiratória Aguda Grave)".

Ela acrescentou que mesmo países que não atuaram com agilidade e lidaram com surtos difíceis, como Coreia do Sul, Itália e Alemanha, conseguiram reverter o rumo da pandemia com aplicação das medidas indicadas pela entidade, como rastreamento de contatos e a comunicação clara pelo governo de estratégias ao público.

 

Ler matéria completa