Bauru e grande região

 
Nacional

Ministério espera evolução da Covid para agir contra 2ª onda

Por enquanto, Ministério da Saúde não recomenda o isolamento social total

por Estadão Conteúdo

21/11/2020 - 05h00

Brasília - Apesar do aumento de casos e internações por Covid-19 em algumas regiões do Brasil, a cúpula do Ministério da Saúde avalia que não é hora de endurecer restrições para o controle da pandemia, como recomendar o isolamento social, ou reforçar a testagem no País. O alerta somente será disparado, segundo relatos feitos ao Estadão por autoridades que acompanham as discussões, quando houver alta consistente no número de mortes.

Embora ainda discutam novas medidas a serem tomadas, secretários de Estados e municípios aumentaram a pressão para que o ministério ajude a controlar a pandemia. Além do reforço na estratégia de testes, eles pedem garantias de que o custeio de leitos exclusivos para tratar pacientes da doença será renovado.

O comando do ministério acompanha as curvas de casos e mortes nos Estados.

O ministério, porém, abandonou metas essenciais para o controle da pandemia, como de realizar 24,2 milhões de testes PCR - considerado "padrão ouro" - no Sistema Único de Saúde (SUS) até dezembro. O produto detecta a presença do vírus nos pacientes e ajuda a estratégia de isolar infectados, quebrando cadeias de transmissão. A rede pública fez até agora só 4,8 milhões destes exames, ou seja, cerca de 20% do previsto.

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, tem dito a interlocutores que, apesar do aumento de casos em alguns locais, não espera a mesma proporção de mortes do começo da pandemia. O general afirma que é preciso observar o comportamento do "novo ciclo" da doença na Europa para compreender o possível recrudescimento da pandemia no Brasil.

Alerta

O presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), Carlos Lula, disse, por meio de sua assessoria, que tem notado o aumento de casos e maior taxa de ocupação de leitos, principalmente nas Regiões Norte e Nordeste. "A Europa já vive sua segunda onda. É questão de tempo ela chegar ao Brasil", constatou ele, ao cobrar a manutenção de cerca de 5 mil leitos de UTI, abertos na pandemia.

Ler matéria completa