Bauru e grande região

Nacional

SP apresenta a prefeitos programa de volta às aulas na rede estadual

Investimento de R$ 80 milhões para ampliação de oferta de vagas em creches foi anunciado em um encontro online

14/01/2021 - 05h00

Sergio Andrade/GovSP

Secretário Rossieli fala do ano letivo e apoio aos municípios paulistas na primeira infância

São Paulo - O Governador João Doria e os Secretário de Estado Rossieli Soares (Educação) e Marco Vinholi (Desenvolvimento Regional) apresentaram aos 645 prefeitos do Estado os detalhes da volta às aulas presenciais a partir de 1º de fevereiro na rede pública estadual.

No encontro online também foi anunciado investimento de R$ 80 milhões para o programa de ampliação de oferta de vagas em creches escolares.

A retomada ocorrerá no próximo dia 1º de fevereiro. Para este ano, foi autorizada pelo Governo do Estado a abertura das escolas em todas as fases do Plano São Paulo, obedecendo aos critérios de segurança estabelecidos pelo Centro de Contingência do Coronavírus.

"Hoje, a ciência nos mostra que o espaço escolar é seguro desde que realizemos todos os protocolos corretamente. Como Governo do Estado, estamos seguindo a ciência e junto com as prefeituras, vamos avançar para priorizar cada vez mais a educação, abrindo nossas escolas para todos os estudantes", explicou o Secretário da Educação, Rossieli Soares.

No encontro virtual, também foi anunciado um novo programa para ampliação de vagas em creches municipais. O diferencial para este ano é que as prefeituras poderão ofertar seus próprios projetos de obras para construção. O número de vagas ofertadas dependerá das demandas dos municípios. E a transferência de alunos está permitida até esta sexta-feira (15).

ABC PAULISTA

Prefeitos de sete cidades do Grande ABC Paulista, que fazem parte do Consórcio Intermunicipal Grande ABC, decidiram adiar a volta às aulas em 2021. Pelo planejamento do governo de São Paulo, as aulas presenciais do novo ano letivo, tanto para escolas particulares quanto públicas, seriam retomadas em 1º de fevereiro. Entretanto, em reunião os sete prefeitos resolveram marcar o retorno para 18 de fevereiro na rede privada e para 1º de março na rede pública.Os gestores municipais condicionaram o início das aulas presenciais ao cronograma de vacinação contra o novo coronavírus.

Conselho quer 1/3 de aulas presenciais

O Conselho Estadual de Educação de São Paulo aprovou nesta quarta (13) diretriz para que todas as escolas ofereçam todo mês pelo menos 1/3 das aulas de forma presencial em 2021. A frequência dos alunos será obrigatória.

A regra, que ainda precisa ser homologada pelo secretário estadual de Educação, Rossieli Soares, vale para as escolas estaduais e particulares da educação infantil ao ensino médio.

No entanto, a medida ainda depende da decisão das prefeituras. No caso da capital paulista, ainda não há definição sobre o retorno das atividades presenciais apesar de o governador João Doria (PSDB) ter publicado decreto autorizando a abertura das escolas em qualquer fase da pandemia.

Segundo a diretriz, das 800 horas letivas pelo menos 1/3 deve ocorrer presencialmente e ser distribuída mensalmente. O receio do conselho era de que as escolas adiassem a volta presencial apenas para o segundo semestre, por isso estabeleceu que a distribuição deve começar já a partir de fevereiro, quando começam as aulas.

Ler matéria completa