Bauru e grande região

Nacional

Polícia interrompe festa com 130 pessoas na zona sul de SP

Evento desrespeitava regras da fase emergencial do Plano São Paulo, que só permite serviços essenciais

por FolhaPress

04/04/2021 - 16h51

Polícia Civil/Divulgação

A Polícia Civil interrompeu uma festa clandestina com cerca de 130 pessoas na zona sul de São Paulo

São Paulo (SP) - Uma festa com cerca de 130 pessoas foi interrompida pela Polícia Civil na travessa do Jameleiro, região do Grajaú, zona sul, na madrugada deste domingo (4). Na ação, um foragido da Justiça foi preso.

Segundo a Secretaria da Segurança Pública (SSP), gestão João Doria (PSDB), cerca de metade dos participantes da festa não usava máscara de proteção. Nenhum deles respeitava as regras de distanciamento social. No local também havia narguilés que, de acordo com a SSP, poderiam ser compartilhados entre os jovens.

O caso foi registrado no Departamento de Proteção à Pessoa e a Cidadania (DPPC), e o responsável pelo esstabelecimentos e os funcionários foram encaminhados à unidade e autuados por infração de medida sanitária preventiva.

A ação faz parte das medidas de combate às aglomerações durante a fase emergencial do Plano São Paulo, que proíbe serviços não essenciais.

Na sexta-feira (2), a polícia já havia fechado uma festa com cem pessoas em Itaquera, zona leste, um spa na Aclimação, região central, e um bar em Pinheiros, zona oeste. Em Mauá, no ABC Paulista, a prefeitura também encerrou uma festa com 90 pessoas.

A Polícia Civil já investiga outras 4.600 pessoas que foram flagradas em festas clandestinas.

A Vigilância Sanitária Estadual realizou, de 1º de julho de 2020 a 31 de março de 2021, 238.826 inspeções e 5.355 autuações. Com a intensificação das ações devido à Fase Emergencial, só no mês de março as equipes inspecionaram 33.271 locais e fizeram 1.439 autuações.

Qualquer pessoa pode denunciar festas clandestinas e funcionamento irregular de serviços não essenciais em São Paulo (SP) pelo telefone 0800-771-3541 e também no site www.procon.sp.gov.br ou pelo e-mail [email protected], do Centro de Vigilância Sanitária.

Ler matéria completa