Bauru e grande região

Nacional

Metade das capitais está sem vacina

Levantamento mostra falta da CoronaVac para aplicar em quem precisa da segunda dose da vacina contra a Covid-19

por FolhaPress

04/05/2021 - 05h00

Fotos Públicas

Queiroga reclamou por imprensa tê-lo fotografado sem máscara

Rio de Janeiro - Mais da metade das capitais do país está com falta de CoronaVac para aplicar em quem precisa da segunda dose da vacina contra a Covid-19.

Levantamento feito pela reportagem mostra que ao menos nove suspenderam a aplicação do imunizante produzido pelo Instituto Butantã: Aracaju, Belo Horizonte, Campo Grande, Fortaleza, Goiânia, Porto Alegre, Porto Velho, Recife e Rio de Janeiro. 

Outras sete têm disponibilidade restrita do imunizante: Boa Vista, Curitiba, João Pessoa, Macapá, Maceió, Natal e Salvador.

A reportagem não conseguiu contato com a Prefeitura de Palmas. A de Vitória informou ter recebido 250 doses para segunda aplicação, mas não disse se o número é suficiente. As demais afirmam estar com o fornecimento normal.

JUSTIÇA

A falta de imunizante ocorre há mais de uma semana, após o governo Jair Bolsonaro liberar, em março, Estados e Municípios de reservar imunizantes para quem precisasse da segunda dose. Agora, porém, a recomendação é que, nos locais onde não há disponibilidade do imunizante, a população tome a segunda dose mesmo fora do prazo, que originalmente seria de 28 dias.

O ministro Ricardo Lewandowski, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse nesta segunda-feira (3) que gestores públicos que atrasarem a aplicação da segunda dose da vacina contra a Covid-19 podem responder por improbidade administrativa.

Contra a imprensa

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse em evento nesta segunda-feira (3) que parte da imprensa "não contribui com o Brasil" em meio à pandemia e sugeriu a empresários que repensem a publicidade nesses veículos. Ele não citou nomes.

A crítica foi feita quando o ministro comentava ter sido fotografado sem máscara ao acompanhar a chegada de doses da Covax Facility neste domingo (2). Ele diz que a imagem foi publicada fora de contexto e que tirou a proteção apenas por um momento para ajustá-la. 

"Não sei com que motivação querem fazer isso para motivar a discórdia. Seria bom que vocês da iniciativa privada e que fazem publicidade nesse tipo de comunicação repensassem essas estratégias", completou.

A declaração ocorreu em evento na Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) com empresários da área da saúde.

Ler matéria completa