Bauru

Nacional

Élcio Franco sugere que municípios 'inflaram dados'

Ex-assessor de Pazuello depõe na CPI da Covid e faz insinuações

10/06/2021 - 05h00

Brasília - Em depoimento à CPI da Covid, nesta quarta-feira (9), o ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde Élcio Franco sugeriu que municípios podem ter apontado indevidamente casos de infecção pelo novo coronavírus para receber repasses federais.

Franco foi questionado pelo senador Fabiano Contarato (Rede-ES) se acreditava que haveria supernotificação de casos.

"Eu não posso afirmar isso, seria leviano de minha parte, mas em um relatório do TCU, em um acórdão do TCU do ano passado, ele colocava que haveria o risco de supernotificação considerando que a lei complementar, que eu falei na abertura da minha fala, que destinava R$ 60 bilhões para estados e municípios, ela previa o repasse e um dos itens previstos nessa lei complementar era justamente a incidência de casos. Então existe sim o risco de ter havido supernotificação, mas eu não posso afirmar isso."

CLOROQUINA

Franco disse ainda que tomou hidroxicloroquina para combater a Covid-19. Ele afirmou que teve de 25% a 50% do pulmão comprometido, mas poderia ter o caso agravado caso não tomasse o medicamento que não tem eficácia comprovada contra a doença.

"O médico me recomendou, eu tomei na fase viral hidroxicloroquina, ivermectina, nitazoxanida, depois anticoagulantes e antibióticos também. O médico me recomendou e eu aceitei. Eu fui internado porque tive de 25 a 50% do pulmão comprometido e ainda estou em reabilitação."

Ao ser questionado se mesmo tomando os medicamentos teve esse percentual de comprometimento do pulmão, afirmou que o quadro poderia ter sido mais acelerado e ficar pior caso não os tomasse. Ele já havia dito que defende o "atendimento precoce" com o uso de medicamento que o médico achar oportuno.

"Nossa gestão defendia o atendimento precoce do paciente, com medicamento que o médico julgar oportuno dentro da sua autonomia. Se for usar medicamento off label, que faça o esclarecimento para o paciente", afirmou.

Ler matéria completa