Bauru

Nacional

Máscaras poderão deixar de ser usadas ao ar livre em dezembro

Governador João Doria anuncia flexibilização do uso de máscara a partir de 11 de dezembro no Estado de São Paulo

por Estadão Conteúdo

25/11/2021 - 05h00

GovSP

Governador faz anúncio, mas diz que cada município deve ter a decisão final

São Paulo - O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou nesta quarta-feira (24) que o uso de máscaras ao ar livre deixará de ser obrigatório no Estado a partir do dia 11 de dezembro. As atualizações sobre as medidas de combate à pandemia de Covid-19 foram apresentadas em coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes.

"A partir do sábado, dia 11 de dezembro, não será mais obrigatório em todo o Estado de São Paulo o uso de máscaras ao ar livre", disse o governador. "No entanto, o uso de máscaras continuará sendo obrigatório nas áreas internas e nas estações e centrais de transporte público."

ESQUEMA VACINAL

O governo Doria condiciona a medida de flexibilização à melhora nos indicadores da pandemia e ao avanço da vacinação no Estado. A meta de 75% da população com esquema vacinal completo, estima a gestão estadual, deve ser atingida nestas próximas 24 horas, com perspectiva de chegar a 80% até o final do mês. Atualmente, o indicador está em 74,5%, computadas toda a população do Estado. Se forem considerados os dados da população adulta (acima de 18 anos), praticamente 100% já tomou ao menos uma dose e 93% as duas doses. 

A cobertura vacinal foi um dos quatro parâmetros apresentados pelo governo paulista no início do mês para flexibilização do uso de máscaras. Os outros seriam deixar a média móvel de casos abaixo de 1,1 mil (atualmente, está em 1.289), a média móvel de internações abaixo de 300 (atualmente, está em 318) e a média móvel de óbitos abaixo 50 (atualmente, está em 60).

Segundo o governador, os municípios podem seguir com "medidas mais firmes" a depender das circunstâncias e dos indicadores locais.

Restrição ao Carnaval: "Ainda é muito cedo para aglomeração"

O coordenador-executivo do Comitê Científico para a Covid-19 do governo de São Paulo, Paulo Menezes, declarou que ainda é cedo para se falar nas aglomerações promovidas pelo Carnaval de rua em São Paulo para 2022. "Hoje entendemos que ainda é precoce se pensar em uma situação de multidões na rua com aglomeração, mesmo que seja daqui a três meses", disse Menezes, em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes no começo da tarde.

A opinião do coordenador do comitê vem em um momento em que diversas cidades pelo estado estão cancelando as festividades por medo de um novo surto de Covid.

"Nós não podemos nos enganar [e acharmos] que estamos livre da pandemia, livres do coronavírus, ele está circulando e, por isso, estamos mantendo as medidas com cautela", disse Menezes. "Carnaval movimenta milhões e milhões de pessoas, brasileiros, pessoas do exterior em todo o País de forma que vamos aguardar."

Ler matéria completa

×