Bauru

Nacional

Rodízio de veículos em São Paulo será retomado nesta segunda

A restrição vale para a circulação de carros no anel viário da cidade das 7h às 10h e também das 17h às 20h

por FolhaPress

16/01/2022 - 14h34

Arquivo Ag. Brasil/Reprodução

Rodízio de veículos é retomado em São Paulo

A Prefeitura de São Paulo informou que o rodízio municipal de veículos será retomado nesta segunda-feira (17). A restrição da circulação estava suspensa desde 20 de dezembro.

O rodízio de placas para veículos pesados (caminhões), Zona de Máxima Restrição à Circulação de Caminhões e Zona de Máxima Restrição aos Fretados não sofreram interrupções e permanecem vigentes.

A restrição vale para a circulação de carros no anel viário da cidade das 7h às 10h e também das 17h às 20h.

Durante o horário de restrição, os veículos não podem circular no centro expandido da capital, incluindo as vias que delimitam o chamado minianel viário, formado pelas marginais Tietê e Pinheiros, avenidas dos Bandeirantes e Afonso D'Escragnole Taunay, complexo viário Maria Maluf, avenidas Tancredo Neves e Juntas Provisórias, viaduto Grande São Paulo e avenidas Professor Luís Inácio de Anhaia Melo e Salim Farah Maluf.

Os motoristas que transitarem em locais e horários não permitidos poderão receber multa de R$ 130,16, além de somar quatro pontos na CNH (Carteira Nacional de Habilitação).

Veja os dias da semana e os finais das placas em rodízio:

- Segunda-feira - Placas finais 1 e 2

- Terça-feira - Placas finais 3 e 4

- Quarta-feira - Placas finais 5 e 6

- Quinta-feira - Placas finais 7 e 8

- Sexta-feira - Placas finais 9 e 0

PANDEMIA

Entre 22 de março e 30 de julho de 2021, a capital adotou o rodízio em horário noturno para veículos leves, quando houve aumento no número de casos de Covid-19 e o governo estadual tentou restringir a circulação de pessoas à noite.

Em 2 de agosto de 2021, o rodízio de veículos voltou a vigorar nos horários tradicionais, quando houve o fim do toque de restrição, decretado pelo governo do estado como forma de conter o avanço do coronavírus.

Ler matéria completa

×