Bauru e grande região

Polícia

Tentou suicídio: ?Meus filhos poderiam ter uma vida melhor?

por Vitor Oshiro

02/03/2013 - 00h40

Fotos: João Rosan

Com a caçula no colo, Rita desabafa: “Já é morte assistir aos filhos passarem fome”

Qual o limite a que uma pessoa pode suportar frente às dificuldades impostas pela vida? Despejada, desempregada, recém-divorciada e vendo os cinco filhos passar por necessidades, Rita de Cássio Rossini, 31 anos, tentou pular de um viaduto na madrugada desta quinta-feira. Salva pela Polícia Militar (PM), ela afirma: “Já é morte assistir aos filhos passar fome”.

A tentativa de suicídio ocorreu no viaduto da rua Treze de Maio que passa sobre a avenida Nuno de Assis. Tentativa que só não se transformou em tragédia por conta da ação rápida da PM. Quando ela soltou as mãos, um policial arriscou sua vida e conseguiu agarrá-la.

Mais calma e arrependida, Rita Rossini garante que não pensa mais em suicídio. Porém, seu horizonte ainda é de dificuldades. Em condição financeira precária, ela tem cinco filhas com

Rita achou que os seus cinco filhos teriam uma vida melhor caso ela morresse e fossem adotados por outra família

idades de 14, 13, 11 e 5 anos, além de uma bebê de 10 meses. “O que me levou a tomar aquela atitude? Achei que meus filhos poderiam ter uma vida melhor. Outra pessoa daria o que merecem e eu não posso dar”, desabafa, emocionada.


Despejo e divórcio

As crianças estavam com sua cunhada quando ela tentou o suicídio. Atualmente, ela mora com as filhas em uma pequena casa alugada por R$ 300,00, no Val de Palmas.

Mas nem sempre foi assim. Há dois meses, acreditava ter realizado seu sonho da casa própria. “Tinha uma casa financiada no Santa Candida. Mas não consegui pagar a prestação de R$ 159,00 e fui despejada”.

E os problemas foram se acumulando. Além do despejo, ela também se divorciou. A sua filha caçula nasceu com dermatite. Para cuidar da criança, deixou de fazer faxinas. “Hoje, não tenho renda nenhuma. Até o Bolsa Família eu perdi porque as crianças começaram a faltar na escola. Meus pais moram aqui, mas passam as mesmas dificuldades que eu. Não tem como eles me ajudarem”.

A geladeira vazia simboliza o real motivo que culminou na atitude desesperada. “Eu vi as minhas filhas passando fome. É a mesma coisa que a morte. Hoje (ontem), tenho arroz e feijão para dar a elas. Mas isso nem sempre acontece.”


Esperança

Rita de Cássio é evangélica. Mas afirma que parou há muito tempo de ir à igreja. A tentativa de suicídio e o salvamento cinematográfico da PM, contudo, podem ter significado um reencontro com a fé e com a esperança. “Depois que vi aquelas pessoas que me salvaram, voltei a ter fé. Agradeço a Deus por terem colocado esses policiais lá”.

A esperança renascida, todavia, mostra-se de modo proporcionalmente fugaz aos problemas futuros da mulher. Quando foi despejada, recebeu um montante em dinheiro, o que custeou o aluguel nesses dois meses. “Acabou o dinheiro. Dia 20, vence o aluguel. Não sei o que vou fazer”, relata.

Quem quiser ajudá-la pode se dirigir à sua casa, na rua Victor Daniel Juarez, 5-50, bairro Val de Palmas.