Bauru e grande região

Polícia

Cresce apreensão de animais silvestres em Bauru

Em três meses, Polícia Ambiental apreende 82% do total de 2013; patrulha é direcionada só para atender as denúncias

por Vítor Oshiro

01/04/2014 - 05h00

Na manhã desta segunda-feira (31), a Polícia Militar Ambiental de Bauru localizou 54 pássaros silvestres em três residências no bairro Pousada da Esperança II (leia mais abaixo). A apreensão engrossa uma estatística considerável: só nos primeiros três meses de 2014, foram apreendidos 454 animais silvestres, o que representa quantidade próxima ao montante de todo o ano passado.

 

Quioshi Goto

O 1º tenente Leo Artur Marestoni explica que a confiança da população na polícia aumentou, o que leva a mais denúncias

Dados da 2ª Companhia de Polícia Ambiental de Bauru apontam que, em 2013 inteiro, foram apreendidos 554 animais. O volume de apreensão de exemplares deste ano representa 82% da quantidade total encontrada nos 12 meses do ano passado.

 

Para o 1º tenente Leo Artur Marestoni, comandante interino da companhia, alguns fatos justificam essa explosão nas apreensões neste início de ano. Um dos principais é o direcionamento de uma patrulha exclusiva para o atendimento de denúncias.

 

“No fim de 2013, uma patrulha foi destacada para ficar com essa função. São dois policiais que checam as denúncias em Bauru e região. A atuação dessa patrulha acaba sendo principalmente em Bauru”, esclarece o comandante.

 

Ele pondera que alguns casos este ano também tiveram peculiaridades. Haja vista a ocorrência registrada ontem, onde uma única denúncia foi feita e os policiais acabaram flagrando, no mesmo bairro, outras duas residências com aves silvestres mantidas em cativeiro. “Só na ocorrência de ontem, apreendemos mais de 10% desse total”, completa o tenente.

 

Assim como ocorreu ontem, a grande parte de apreensões é de espécies silvestres que estavam com pessoas que não possuíam licença do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). 

 

Nesses casos, o responsável fica sujeito à multa administrativa, além de reparação cível e criminal pelo dano ambiental causado. “Nas aves, para se ter uma ideia, a pessoa fica sujeita à uma multa de R$ 5 mil por cada exemplar ameaçado de extinção”, explica Marestoni.

 

Denúncias

 

O fato de, em apenas três meses este ano, a quantidade de apreensões já ter encostado no montante de 2013 inteiro também é influenciado pelas denúncias da população. O comandante interino explica que “a confiança da população na Polícia Ambiental vem crescendo”.

 

“Isso faz com que aumentem as denúncias. Nosso foco maior é o combate ao comércio ilegal e à caça de animais, mas estamos apurando toda e qualquer denúncia que chega até nós”, finaliza o 1º tenente Leo Artur Marestoni.

 

  • Serviço

Para fazer denúncias, obter orientações ou solicitar a captura de animais silvestres, o telefone de contato da Polícia Ambiental é o (14) 3203-2700 ou 3203-3034. O órgão pode ser acionado também por meio do e-mail [email protected]

 

Uma denúncia e 54 aves flagradas

 

“Três coelhos com uma cajadada só”. Ontem, policiais do 1º Pelotão Ambiental apreenderam 54 pássaros no Pousada da Esperança II. O curioso é que eles foram atender uma denúncia, porém, acabaram fazendo três apreensões. 

 

De acordo com os dados divulgados pela polícia, a viatura foi atender a uma denúncia, entretanto, no caminho, visualizou pássaros em outra residência e fez a abordagem. Depois, os policiais foram até o local denunciado, onde também encontraram aves silvestres em cativeiro. E enxergaram, na residência vizinha, mais pássaros dentro de gaiolas.

 

Em uma das casas, morava um homem de 39 anos e foram localizados cinco aves: dois tico-ticos, dois tico-ticos rei e um canário-da-terra. Na outra, estava um homem de 49 e foram achados 20 pássaros: 12 coleirinhos papa-capim, dois tico-ticos rei, um canário-da-terra, três bigodinhos, um trinca-ferro e um periquitão maracanã. Na casa em que havia a maior quantidade de aves, morava um homem de 60 anos. Lá, foram apreendidas 29 aves: 14 canários-da-terra, dez coleirinhos papa-capim, quatro tico-ticos rei e um trinca-ferro.

 

Nenhum morador apresentou autorização para ter os animais em cativeiro. Foram autuados com auto de infração ambiental de advertência pelo policiamento.