Bauru e grande região

Polícia

Distração é a maior causa de acidentes e pode gerar multas

Virar para trás, fumar e até deixar de ligar o para-brisa são situações que ampliam riscos e, por isso, são passíveis de autuações

por Marcele Tonelli

23/04/2019 - 07h00

A distração é a maior causa de acidentes no trânsito em Bauru, principalmente aqueles sem vítimas ou quando há pessoas com ferimentos leves. A informação é do Pelotão de Trânsito da Polícia Militar (PM) da cidade e da Emdurb. Mas o motorista não deve achar que só acidentes sem gravidade são causados pela falta de atenção. Dados do Movimento Paulista de Segurança no Trânsito apontam a falha humana como responsável por 94% das mortes ocorridas no trânsito em todo o Estado. Como forma de tentar educar condutores, o Departamento de Trânsito Estadual (Detran.SP) tem lançado alerta a uma série de situações que parecem banais, mas ampliam muito os riscos de acidentes e ainda podem pesar no bolso.

Gestos como tentar pegar um objeto no chão do carro parado no semáforo, virar para trás, fumar e até não ligar o para-brisa na chuva são infrações previstas no Código de Trânsito Brasileiro (CTB) (veja mais no quadro abaixo).

"O ritmo de vida nas cidades é apressado, mas não se pode tirar o atraso da rotina no trânsito. A distração é a principal causa de acidentes, principalmente os choques ou as colisões sem vítimas ou com vítimas leves", aponta Nelson Augusto Neto, gerente do Setor de Estatísticas de Acidentes da Emdurb.

Nos primeiros três meses deste ano, foram registrados 934 acidentes na zona urbana da cidade e mais da metade são sem vítimas ou envolvem ferimentos leves.

ALHEIOS AO TRÂNSITO

Comandante do Pelotão de Trânsito da PM, o tenente José Sérgio de Souza diz que o patrulhamento observa, diariamente, condutores totalmente alheios ao trânsito. "São situações das mais diversas, como se distrair para pegar objetos, por exemplo. São poucos segundos, mas nos quais o carro chega a andar de 20 a 30 metros 'às cegas''. E é aí que mora o perigo, porque o condutor pode passar por um cruzamento com sinal vermelho ou não respeitar a sinalização do Pare", destaca o policial.

Ele frisa que a orientação aos policiais em viatura e que avistam uma infração no trânsito, independentemente do foco de atuação deles, é de, sempre que possível, abordar e conscientizar o condutor distraído, além de autuar.

"Não sendo possível parar, o policial pode fazer a autuação assim mesmo. E o condutor só irá descobrir quando a multa chegar em sua casa dali alguns dias", completa o tenente.

A mesma conduta é observada pelos agentes Grupo de Operações de Trânsito (GOT) da Emdurb.

ATENÇÃO SEMPRE

Fotos: Alex Mita/JC Imagens
Tenente PM José Sergio de Souza faz alerta a condutores

Nelson Augusto, da Emdurb, fala sobre situações de risco

Nem mesmo parado no semáforo, o condutor pode tirar as duas mãos do volante, exceto para mudança de marcha ou para sinalização de alguma manobra aos demais condutores.

"Namorar durante a parada semafórica também não pode. É algo mais difícil e nós normalmente não multamos, mas pode acontecer", cita o tenente José Sérgio de Souza.

Outra infração frequente, segundo Nelson, é cometida por motociclistas, que encaixam o celular no capacete para tentar escapar da fiscalização. "Quando o aparelho escapa, eles ficam desesperados tentando pegar e podem causar acidentes", cita o gerente da Emdurb.

Além de manter a atenção e dirigir de forma preventiva, sempre atento aos demais condutores ao redor, o motorista deve manter distância de segurança, ou seja, sempre enxergar o pneu traseiro do carro em sua frente.

"O bom condutor prevê situações, se prepara para elas e tem empatia ao volante. Afinal, o motorista à frente pode ter mais idade e um reflexo menor ou pode estar com problemas de saúde", reforça o tenente Souza.

Em tempo: o índice divulgado pelo Movimento Paulista de Segurança no Trânsito é calculado por meio do Sistema de Informações Gerenciais de Acidentes de Trânsito, o Infosiga SP, lançado pelo governo há alguns anos justamente para monitorar o trânsito no Estado.

Aceituno Jr.
Rossana Lima colidiu após distração e aprendeu a "lição"

Distraiu, bateu e aprendeu

"Depois daquilo, nunca mais olhei para o lado no trânsito." A frase é da condutora Rossana de Almeida Lima, 54 anos, que colidiu contra a traseira de outro carro depois de se distrair ao ver o marido também no trânsito.

"Fui dar aquela ''pescoçada' para ver quem estava com ele de passageiro e acabei batendo no veículo que estava em minha frente, em uma avenida. Foi um prejuízo danado. E fiquei com vergonha de dizer, em um primeiro momento, que bati porque estava distraída olhando para ele", conta a condutora. "Mas serviu a lição, porque nunca mais me distraí assim. O celular nunca sai da bolsa no trânsito, mesmo que sirva de GPS. Eu prefiro sair perguntando o endereço do que me distrair com celular", completa. 

Infração por uso de celular cai pela metade, mas alerta segue

De 2016 para 2018, o número de infrações no trânsito envolvendo o uso de celular diminuiu 49%, segundo dados da Emdurb. Em 2016, as multas envolvendo o aparelho somavam 9.423 e caíram para 4.807 no ano passado. Os registros contabilizam os atos de manusear, segurar ou utilizar o celular.

"Mas é importante alertar que o uso de celular ao volante aumenta em mais de 400% a probabilidade de o condutor se envolver em um acidente", alerta o tenente José Sérgio de Souza, comandante do Pelotão de Trânsito da PM.