Bauru e grande região

Polícia

Briga em bar termina em assassinato no Jardim Carolina

Autor, que foi preso pela Polícia Civil de Bauru e confessou, disse que vítima, além de assediá-lo, teria comido sua porção e tomado sua cerveja

por Vitor Oshiro

08/06/2019 - 18h55

Polícia Civil/Divulgação
Com numeração raspada, revólver calibre 38 usado no crime foi apreendido

Uma briga de bar terminou em morte no Jardim Carolina, em Bauru. O estopim da confusão que tirou a vida de Leonas Rodrigo Barbosa de Souza, 31 anos, teria sido o fato de a vítima ter comido a porção e bebido a cerveja do autor. Bruno Huesler Taborda do Nascimento, conhecido como Paraguai, de 29 anos, foi preso pela Polícia Civil, por meio da Delegacia de Investigações Gerais de Bauru (DIG), e confessou o crime.

O assassinato ocorreu por volta das 22h desta sexta-feira (7). De acordo com o delegado titular da DIG, Cledson Nascimento, a equipe de homicídios foi acionada para atender um crime no cruzamento das ruas Antonio Duran e Teodoro Antunes no Jardim Carolina.

Ao chegar ao local, os policiais encontraram o corpo de Leonas alvejado por três tiros na região do abdômen. "A partir daí, a DIG começou a investigar e teve as primeiras informações de que o autor do crime seria um indivíduo de prenome 'Bruno' e de vulgo 'Paraguai' e que o início do entrevero ocorreu em um bar na quadra 12 da rua Rafael Pereira Martini", explica Cledson.

As equipes da DIG fizeram diligências até o estabelecimento e encontraram o autor. "Bruno confessou o crime, alegando que a vítima passou a assediá-lo na mesa do bar. Em determinado momento, após o autor voltar do banheiro, encontrou a vítima bebendo sua cerveja e comendo sua porção".

A partir daí, começou uma confusão e Bruno, que estava armado, teria efetuado um disparo perto do pé de Leonas. "Mas, ele dizia que tinha 'corpo fechado' e que os tiros não iriam acertá-lo. Nesse momento, a vítima saiu do bar o autor o seguiu e desferiu os disparos", complementa o delegado.

Bruno, que já possuía antecedentes criminais por porte ilegal de arma, indicou aos policiais o local onde teria jogado o revólver, em um quintal de uma residência na rua Xerxes Ribeiro dos Santos. Lá, dentro de uma sacola, foi encontrada a arma calibre 38, com numeração e marca raspadas, municiado com um cartucho íntegro.

Assim, diante da confissão e da apreensão da arma de fogo, o delegado Cledson Nascimento autuou Bruno em flagrante por homicídio duplamente qualificado (motivo fútil e recurso que impossibilitou a defesa) Foi requisitado exame residuográfico para o autor, que passaria por audiência de custódia.