Bauru e grande região

Polícia

Acusado de atacar professor responderá em liberdade

Família de homem de 30 anos pagou fiança no valor de R$ 1 mil arbitrada pela polícia

por Tisa Moraes

22/11/2019 - 05h00

Malavolta Jr.

Professor Juarez Xavier levou golpes no ombro e no braço

Após a família pagar R$ 1 mil de fiança, o homem de 30 anos acusado de injúria racial e lesão corporal dolosa contra um professor negro da Unesp em pleno Dia da Consciência Negra irá responder aos crimes em liberdade.

Conforme noticiado pelo JC, o fato ocorreu nesta quarta-feira (20), quando o professor universitário Juarez Tadeu de Paula Xavier, de 60 anos, estava no estacionamento de um estabelecimento comercial.

O docente conta que foi chamado de 'macaco' e, ao reagir, acabou atingido por golpes de canivete no ombro direito e no braço esquerdo. O professor foi socorrido na UPA do Geisel e passa bem.

Já o agressor, Vitor dos Santos Munhoz, foi contido por pessoas que presenciaram a confusão até a chegada da Polícia Militar (PM). Ele alegou aos policiais que estava sendo perseguido por uma ordem secreta, o que aparentava ser uma alucinação.

O autor dos golpes ainda negou ter direcionado ao docente ofensas racistas, mas uma testemunha confirmou que ele falou várias vezes a palavra "macaco".

Já na Polícia Civil, a família de Vitor apresentou um laudo de esquizofrenia. O caso foi registrado como injúria racial e lesão corporal dolosa.

Vale destacar que, conforme o entendimento jurídico, para a injúria racial, ofensa proferida a determinada pessoa por conta da raça, cabe fiança. Já o crime de racismo, inafiançável e imprescritível, é configurado quando há um ato de discriminação por conta da raça. Ações como impedir o acesso de negros a determinados estabelecimentos ou negar empregos por conta da cor da pele, por exemplo, são consideradas racismo.

Ato nesta sexta-feira

Nesta sexta-feira (22), a partir das 18h, está marcado um ato em apoio ao professor Juarez Xavier. A concentração ocorrerá em frente à Câmara Municipal. "Sou negro na pele, na alma, na voz e na luta", destaca a organização da manifestação.

Ler matéria completa