Bauru e grande região

Polícia

Laudo residuográfico da cabo Águida dá negativo

Exames não acharam chumbo nas mãos da policial; caso completa um mês nesta segunda

por VITOR OSHIRO LUCIANA LA FORTEZZA

23/11/2019 - 06h00

Facebook/Reprodução

Cabo Águida Barbosa, 47 anos

Nesta segunda-feira (25), completa-se um mês da ocorrência que resultou nas mortes do sargento Luciano Agnaldo Rodrigues, 50 anos, e do cabo e judoca Mário Sabino Júnior, 47, em Bauru. E mais uma peça se junta ao quebra-cabeça. Segundo a Polícia Militar (PM), laudo do exame residuográfico mostra que não foi encontrado chumbo nas mãos da cabo Águida Heloísa Barbosa Rodrigues, 47 anos.

Em entrevista exclusiva ao JC quando deu detalhes pela primeira vez sobre o caso, o Comando da PM já havia informado que, "ao que tudo indicava", a viúva do sargento não tinha realizado disparos.

Agora, segundo a PM, os laudos oficiais dos exames residuográficos mostraram chumbo nas mãos somente de Sabino e Agnaldo, mas não nas mãos da cabo Águida.

Este e outros laudos feitos pelos institutos de Criminalística e Médico Legal foram anexados ao inquérito militar, contudo, ainda faltam outros resultados de exames para ele ser finalizado.

PARTICIPAÇÃO

Mais uma vez, a PM frisa que, até o momento, não existe risco de uma eventual prisão da mulher ser determinada. A cabo Águida ainda não retornou ao trabalho, uma vez que, após o luto, entraria em férias já programadas. Ainda segundo a corporação, "a assistência psicológica da Polícia Militar encontra-se disponível" para a policial.

TIROS

Os resultados também confirmam oficialmente os locais dos ferimentos das duas vítimas fatais. "Cabo Sabino sofreu três lesões, sendo uma na região temporal direita, outra no tórax e a última na região cervical. O sargento Agnaldo sofreu cinco lesões, sendo elas na região pariental direita, região torácica, fossa ilíaca esquerda, região póstero medial do terço inferior da coxa direita (orifício de entrada) e a última na região lateral direita (orifício de saída)", aponta, em nota enviada pela assessoria de comunicação, a Polícia Militar.

Ler matéria completa