Bauru

Polícia

Acidente mata dois irmãos e amigo: 'Nenhuma mãe devia enterrar o filho'

Desabafo é da genitora de um dos três jovens que morreram em capotamento em Bauru; uma das vítimas seria pai pela 3.ª vez

por Larissa Bastos

06/07/2021 - 05h00

Arquivo Pessoal

Os irmãos Diego Cristian Pereira de Oliveira, de 25 anos, e João Victor Pereira de Oliveira, de 21, morreram no local do acidente

Duas mães sentiram - e certamente sentirão para sempre - a dor quase que inimaginável de sepultarem seus filhos, após um grave acidente em Bauru, neste fim de semana. O capotamento, que tirou a vida de três jovens, ocorreu na rodovia Comandante João Ribeiro de Barros (SP-294), a Bauru-Marília, na altura do Jardim TV. Uma das mulheres, inclusive, era mãe de duas das vítimas fatais.

Segundo os familiares, os irmãos Diego Cristian Pereira de Oliveira, de 25 anos, e João Victor Pereira de Oliveira, de 21, e o amigo Igor da Silva Almeida, de 23, estavam em um Ford Ka que capotou, por volta das 23h10 do último sábado (3), no quilômetro 349 da Bauru-Marília (leia mais abaixo).

Roseli Pereira, mãe de Diego e João Victor, conta que eles eram inseparáveis. "Eles casaram cedo e saíram de casa. Mas, há pouco tempo, quase na mesma época, eles se separaram e voltaram a morar comigo. Eles sempre foram unidos. No dia da tragédia, eu estranhei que eles não passaram o dia juntos. Mas, à noite, saíram juntos para partirem juntos", lamenta.

Diego era pai de duas crianças e ainda aguardava o nascimento do terceiro filho. João Victor também era pai de um menino. "Eles tinham muitos sonhos. O Diego estava muito ansioso e feliz para ser pai novamente. Eles eram meninos muito bons, educados. Eu estou tão triste, tão desesperada. Muita dor", diz Roseli.

DOR IRREPARÁVEL

"Muita dor". É o que também está sentindo Edna Patrícia da Silva, mãe de Igor, o jovem que dirigia o Ford Ka. "Nenhuma mãe devia enterrar o filho. É uma dor irreparável, que nunca cura. Uma ferida que nunca fecha".

Ela conta que, há uma semana, o filho decidiu deixar a casa onde morava com amigos para voltar a residir com a família. "Ele trouxe todas as coisas dele. Parece que foi uma despedida. O Igor era um menino que sempre queria o melhor das pessoas. Ele sempre falava em formar uma família, ter o próprio negócio e ter filhos, já que ele era apaixonado por crianças. Claro que ele não era perfeito, como ninguém é. Porém, tinha um coração bom e tinha muitos amigos. Mas uma fatalidade tirou a vida dele. A dor é grande", destaca.

Os irmãos do Igor também se despediram em tom de homenagem. "Somos quatro irmãos e o Igor era o penúltimo. Mas era o mais carinhoso, amoroso e carente de atenção. Até o fim, ele tentou se sentir amado. Para nós, ele sempre será o nosso pequeno Igor. Ele sempre quis viver. No fundo, sempre foi a criança com sonhos de menino, que, infelizmente, foram interrompidos antes de estar na linha de chegada. Cuide hoje, ame hoje, perdoe hoje. A vida é um sopro. Quem está aqui hoje pode não estar mais amanhã. Igor da Silva Almeida, nossa estrela cadente. Te amamos até a eternidade", escreveu Isabelly Almeida, também em nome dos outros dois irmãos de Igor, Eduardo Filho e Carolina Santos.

ADEUS

Os corpos dos jovens foram sepultados sob muita comoção de familiares e amigos. Diego e João Victor foram enterrados na tarde deste domingo (4) no Cemitério do Jardim Redentor.

Já o sepultamento de Igor ocorreu nesta segunda-feira (5) no Memorial Bauru.

A tragédia

Segundo o BO, por motivos a serem esclarecidos, o Ford Ka, onde estavam quatro jovens, que eram amigos, capotou no quilômetro 349 da Bauru-Marília, na altura do Jardim TV, em Bauru. Ainda de acordo com o registro policial, o grupo voltava da casa de uma amiga no bairro Ferradura Mirim e, durante o capotamento, duas das vítimas foram arremessadas para fora do carro.

Conforme o JC apurou, Diego e João Victor não resistiram aos ferimentos e morreram no local.

Igor chegou a ser socorrido, mas morreu pouco depois, no Pronto-Socorro Central (PSC).

Já o quarto ocupante do veículo, de 19 anos, foi socorrido e não corre risco de morte.

Ler matéria completa