Bauru

Polícia

Com migração da rota do tráfico, apreensões dobram

Polícia Rodoviária intensificou as fiscalizações nas rodovias da região

por Cinthia Milanez

16/07/2021 - 05h00

Polícia Rodoviária/Divulgação

Segundo o 1.º tenente Rodrigo Hydeo Sayki, as principais rotas da região de Bauru são a SP-225 e a SP-300

A migração da rota do tráfico de drogas de outras regiões do Estado de São Paulo para a de Bauru fez com que as apreensões dos entorpecentes aumentassem significativamente no entorno do município, conforme constata a Polícia Militar Rodoviária, que intensificou as fiscalizações em virtude desse fenômeno. Para se ter ideia, só no primeiro semestre de 2021, a corporação apreendeu 8,3 toneladas de drogas na região de Bauru, o dobro do registrado no mesmo período do ano passado, quando foram flagradas 4 toneladas nas estradas.

As mudanças frequentes de rota e da forma de agir são estratégias dos traficantes para tentar despistar a polícia, como explica o comandante do 3.º Pelotão de Polícia Rodoviária de Jaú, mas que também responde interinamente pelos outros dois pelotões da 1.ª Companhia, inclusive, o de Bauru, o 1.º tenente Rodrigo Hydeo Sayki. "Tanto que as apreensões na região de Marília registraram uma ligeira queda neste primeiro semestre em comparação com o mesmo período de 2020", reforça.

PRINCIPAIS RODOVIAS

A migração da rota e a percepção desse fenômeno pelos policiais, que intensificaram as fiscalizações, levaram ao aumento significativo das apreensões. Entre as principais vias de passagem para o tráfico de drogas na região de Bauru, o oficial destaca a Marechal Rondon (SP-300) e a Engenheiro João Baptista Cabral Rennó (SP-225), mas alguns criminosos também utilizam a Comandante João Ribeiro de Barros (SP-294). 

Ainda segundo o 1.º tenente Sayki, os entorpecentes costumam sair do Paraná ou Mato Grosso do Sul rumo à Capital Paulista ou ao Norte do País, fato que obriga os criminosos a utilizarem alguma rodovia da região de Bauru. "No tráfico regional, no qual as drogas são transportadas de uma cidade para outra da nossa área de atuação, a maioria utiliza automóveis. No caso do interestadual, nós costumamos flagrar caminhões lotados de entorpecentes", comenta.

ATÉ DEBAIXO DA TERRA

Nesse sentido, o oficial destaca uma ocorrência que se deu em 12 de maio último, na Rondon, em Cafelândia. Na ocasião, o Tático Ostensivo Rodoviário (TOR) localizou quase 3 toneladas de maconha na carroceria de um caminhão que transportava terra vegetal. "No tráfico regional, os criminosos colocam mulheres e crianças nos veículos para despistar a polícia. No interestadual, os traficantes costumam esconder os entorpecentes em meio à carga dos veículos pesados. Nós já chegamos a encontrar substâncias até dentro de um caminhão-tanque", narra.

De acordo com o 1.º tenente Sayki, a maioria dos criminosos prefere trafegar pelas rodovias à noite, mas as ocorrências à luz do dia estão cada vez mais comuns, pois os traficantes acreditam que tamanha ousadia consegue despistar a polícia. "Como os criminosos mudam a sua maneira de agir frequentemente, nós usamos a experiência decorrente da observância desse fenômeno, fato que leva a diversos flagrantes de carregamentos significativos de drogas, sendo a maioria formada por maconha, apesar de também localizarmos pasta base de cocaína, skunk e crack", finaliza.

Ler matéria completa