Bauru

Polícia

Dupla é presa por furtar prédio da Delegacia Seccional de Bauru

Imóvel fica ao lado do plantão, local frequentado 24 horas por muitos policiais; todos os objetos levados foram recuperados

por Guilherme Tavares e Vitor Oshiro

25/11/2021 - 05h00

Guilherme Tavares

Segundo delegada assistente da Seccional, Priscila Bianchini de Assunção Alferes, todos objetos foram recuperados

A ousadia dos bandidos não para de surpreender nem mesmo aqueles que lidam todos os dias com a criminalidade. Nesta quarta-feira (24), dois homens - seus nomes não foram divulgados - acabaram presos pelo furto de diversos objetos de dentro da Delegacia Seccional de Bauru, prédio que fica ao lado do Plantão Policial, no Centro. Segundo a Polícia Civil, a perícia apontará como o local foi invadido, mas a hipótese mais provável é de que tenham pulado um portão e forçado a entrada por uma das janelas. O primeiro suspeito, de 27 anos, foi detido horas depois pela Polícia Militar (PM). Já na noite de ontem, o Setor de Investigações Gerais (SIG/CPJ) prendeu seu comparsa, de 38 anos. Todos os itens foram recuperados.

Segundo Priscila Bianchini de Assunção Alferes, delegada assistente da Seccional, foram subtraídos da delegacia um notebook, um celular, uma lanterna, um colete à prova de balas, munições e um carregador de pistola.

O primeiro suspeito foi localizado por volta das 2h, a poucas quadras do imóvel alvo do furto, durante patrulhamento da PM e os objetos estavam na mochila dele.

De acordo com Priscila, na abordagem, o homem teria dito, inicialmente, que havia furtado um carro, mas acabou confessando a invasão à delegacia. Ele também estaria portando ilegalmente um revólver antigo, também apreendido. Segundo a delegada, nenhuma arma da Polícia Civil foi subtraída na ação.

O suspeito foi levado para o Plantão Policial e indiciado por furto qualificado mediante escalada, com pena de dois a oito anos de reclusão. Ele permaneceu detido e, nesta quinta-feira (25), deve passar por audiência de custódia.

SEGUNDO DETIDO

Esse primeiro suspeito indicou a participação de um comparsa, que estaria em uma pensão no Centro de Bauru. Então, as equipes do SIG iniciaram as diligências e, em buscas nesse endereço, não encontraram o homem, mas localizaram, no quarto em que ele residia, a mochila do notebook furtado da delegacia.

As investigações continuaram e, após pesquisas nos sistemas policiais, foram levantados possíveis endereços onde o suspeito poderia estar. Ele foi localizado, enfim, em um deles, em um apartamento no Mary Dota.

Após ser detido, ele confessou que consumiu drogas com o já indiciado horas antes pelo crime, mas alegou não saber por que esse primeiro suspeito teria deixado a mochila do notebook vazia em seu quarto. Ainda justificou ter fugido da pensão por já saber que a polícia o procurava. Diante dos fatos, também foi feito o flagrante dele pelo furto qualificado da Delegacia Seccional.

Delegada crê que itens furtados seriam trocados por drogas

Segundo a polícia, o primeiro homem preso pelo furto da Delegacia Seccional confessou o crime. No entanto, de acordo com a delegada Priscila Bianchini de Assunção Alferes, ele não apresentou um motivo para ter invadido justamente um prédio policial. Ainda segundo ela, o suspeito é usuário de drogas. "São pessoas que, infelizmente, não têm muito senso do que estão fazendo. O importante para elas é vender ou trocar algum objeto por entorpecentes. Você percebe que ele estava desorientado, não tem muito discernimento", avalia.

A delegada acredita ainda ser remota a chance de novos furtos no local, porém, a equipe da Seccional está avaliando possíveis vulnerabilidades do prédio para tomar medidas de segurança, se forem necessárias.

Oportunismo

Pela manhã desta quarta-feira, a Polícia Científica foi acionada e realizou a perícia no prédio da Delegacia Seccional de Bauru, colhendo impressões digitais em diversos cômodos.

O laudo, que indicará como o imóvel foi invadido, deve ficar pronto em até 60 dias.

Além do fato de o alvo ser a Delegacia Secional, chama atenção também a proximidade do prédio com o Plantão Policial, que funciona durante toda a madrugada, com movimentação de policiais civis e militares. "O suspeito (ou suspeitos), provavelmente, se aproveitou de um momento em que a Polícia Militar não estava apresentando ocorrência, quando estava mais calmo. Foi aí que deve ter pulado o portão e escalado uma marquise para alcançar alguma das janelas", acredita Priscila Bianchini de Assunção Alferes, delegada assistente da Seccional.

Ler matéria completa

×