Bauru

Polícia

Trans perde dente em agressão e denuncia transfobia à polícia

Inquérito foi instaurado e caso é investigado como ofensa racial, lesão e ameaça

por Larissa Bastos

10/12/2021 - 05h00

Arquivo Pessoal

Santina conta que foi atingida por golpe e teve dente quebrado

A artista e cantora Santina, de 22 anos, que é mulher trans, registrou boletim de ocorrência (BO) para denunciar que foi vítima de agressões físicas e de transfobia por parte de um casal, durante um evento realizado na região central de Bauru. Ela conta que chegou a perder um dente no ataque. A Polícia Civil informou que já foi instaurado inquérito para apurar o caso, registrado como ofensa racial, lesão corporal e ameaça.

A questão toda começou no dia 27 de novembro, quando, durante um evento, três mulheres trans foram barradas na entrada. Segundo Santina, a namorada do organizador dessa festa "estava bastante agressiva com as meninas o tempo todo, empurrando e gritando com elas. Inclusive, essas minhas amigas me disseram acreditar que iriam apanhar dela".

No dia seguinte (28), na uma inauguração de um outro estabelecimento, uma loja de roupas onde Santina se apresentou artisticamente, ela encontrou com o homem envolvido na confusão do dia anterior e sua namorada. "Fui conversar com a menina, só que ela começou a gritar muito comigo, usando palavras transfóbicas. Eu pedi para o namorado dela acalmá-la, momento que ele começou a gritar comigo também. De imediato, já cobrei dele um posicionamento antitransfóbico, já que ele tinha barrado a entrada de três mulheres trans. Foi aí que ele começou a ser super transfóbico, dizendo que 'não era pela opção sexual de ninguém', sendo que a transsexualidade não é opção sexual, é gênero", relata.

Em seguida, a artista narra que, quando a namorada do homem viu eles discutindo, já em via pública, desferiu um tapa na cara dela. "E, assim, ele começou a me bater também. Ele me deu um soco na boca com o braço esquerdo, que estava engessado, e fez com que eu perdesse um dente", indigna-se. "E eu acho muito triste tudo isso, porque ninguém dá um tapa na cara de uma pessoa branca, cis, heteronormativa, quando essa pessoa só está pedindo para que não aconteça uma briga", lamenta.

Após a confusão, o casal teria entrado na loja e Santina foi embora. Ela afirma ainda que outras duas mulheres também foram agredidas no local. Uma delas, inclusive, teria sido atingida por chutes na cabeça. "Era visível que eles (o casal) estavam muito alterados. E, agora, eles estão agindo como se nada tivesse acontecido, pediram para os seguidores me mandarem mensagens pelas redes sociais me ameaçando", comenta.

BOLETIM DE OCORRÊNCIA

Em 29 de novembro, Santina registrou boletim de ocorrência acompanhada da advogada Taylise Rochelli Zagatto, que também é presidente da Comissão da Diversidade Sexual e de Gênero da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Bauru.

"Já denunciei para a polícia, fiz boletim de ocorrência e exame de corpo de delito. Estou muito triste, chocada, devastada. Eu só falei uma ou duas vezes sobre essa situação que aconteceu comigo, porque ainda é muito difícil para mim. Eu só espero que seja feita justiça", conclui Santina.

A reportagem do Jornal da Cidade obteve dois números de celulares que seriam do casal acusado das agressões. Porém, as ligações foram direto para a caixa postal.

Ler matéria completa

×