Bauru

Polícia

Carneiro e ovelhas usados para estudos são furtados

Animais de uma universidade eram utilizados em aulas de Medicina Veterinária

por Larissa Bastos

14/05/2022 - 05h00

Divulgação

Animais adultos e filhotes viviam na faculdade há muitos anos

Nem animais usados para estudos em uma instituição de ensino escaparam da criminalidade em Bauru. Dez ovelhas e um carneiro que eram utilizados nas aulas do curso de Medicina Veterinária foram furtados de uma universidade na região do Jardim Marabá. A principal suspeita é de que os bichos tenham sido levados para abate. Contudo, especialistas alertam que o consumo da carne deles pode trazer riscos, por se tratarem de ovinos domesticados e que não eram preparados para alimentação humana.

A médica veterinária responsável, Mirian Simões, conta que, quando chegou para trabalhar, no final do último mês, se deu conta de que os animais haviam sido levados. "Em um dia, furtaram o carneiro adulto. Cerca de quatro dias depois, levaram as dez ovelhas, sendo seis adultas e quatro filhotes", relata.

Segundo o JC apurou, o crime de abigeato (furto que envolve a subtração de animais, principalmente domésticos, como os de carga e para abate, no campo e fazendas) ocorreu durante a madrugada e as imagens das câmeras de segurança mostram uma pessoa usando um veículo para levar os ovinos em várias viagens.

Além de prejudicar os estudantes, que usavam os animais para aprender os devidos cuidados, o furto também entristeceu bastante os funcionários, já que os bichos viviam na universidade há anos. Agora, dos 15 ovinos que habitavam o local, ficaram apenas quatro.

"Quando comecei a trabalhar na universidade, em 2014, alguns deles já viviam aqui. Então, existia um carinho, um cuidado com eles, porque convivíamos bastante, alimentando, dando banho, aplicando vacina, dando medicação, fazendo exames. Todos tinham nome e eram bastante dóceis. É uma tristeza grande", lamenta Mirian Simões.

E é justamente por terem sido domesticados e receberem tratamento veterinário constantemente que, se os animais foram levados para abate, o consumo da carne pode oferecer riscos. "Algumas medicações, como vermífugo e até vacinas, exigem uma carência mínima para que o organismo do animal absorva. Como eles foram medicados e vermifugados em vários momentos, a pessoa que se alimentar pode ter problemas, como uma intoxicação alimentar, e passar mal", pondera a veterinária.

Já o chefe de câmpus da universidade, Alfredo Lopes, afirma que foi registrado boletim de ocorrência (BO) sobre o furto e conta, agora, com as investigações da Polícia Civil sobre o caso.

Ler matéria completa

×