Bauru e grande região

Política

Vereadores e moradores pedem a reconstrução de lombadas retiradas

Emdurb está tirando redutores de velocidade de várias ruas após decisão judicial e não há previsão de recolocação pois deverá fazer estudo técnico

por Thiago Navarro

08/02/2019 - 07h00

Aceituno Jr.
Lombada da quadra 5 da alameda Cônego Aníbal Difrância, no Vista Alegre, foi retirada recentemente

A decisão judicial que obriga a Emdurb a retirar todas as lombadas irregulares das ruas de Bauru vem gerando reações contrárias da Câmara Municipal e da população, que já diz perceber o aumento da velocidade dos veículos. A Emdurb começou a cumprir, no mês passado, a decisão conquistada pela Associação de Defesa da Cidadania de Bauru (Adeciba), e pelo menos 25 foram retiradas até ontem. Contudo, o número será bem maior, e a preocupação é com o crescimento dos acidentes e atropelamentos. Por enquanto, não há previsão de reconstrução, o que leva preocupação a muitos moradores da cidade.

No Parque Vista Alegre, onde sete lombadas já foram retiradas, a população diz que já é perceptível o aumento da velocidade dos veículos. Na quadra 5 da Alameda Cônego Aníbal Difrância, a estudante Beatriz Prado, de 23 anos, mora em frente a uma das lombadas que foi retirada, e está preocupada. "Faz mais de um mês que retiraram a lombada e piorou muito. Os carros estão passando em velocidade mais alta, inclusive uma das lombadas era perto da escola, o que coloca as crianças em risco", frisa. Ela comentou que a lombada foi conquistada há muitos anos, quando um acidente matou uma pessoa na época. Para ela, sem o redutor de velocidade, o perigo é grande, mas os moradores não sabem o que fazer para evitar que os motoristas abusem da velocidade, que é de no máximo 40 km/h em boa parte da via. O comerciante Lúcio Mauro Devides, 47 anos, tem um bar neste mesmo ponto e diz que muitos frequentadores do estabelecimento já reclamaram. "Fazia muito tempo que estava aí, e agora que está sem, ficou mais difícil de atravessar a rua, tanto para os pedestres quanto para os carros que precisam cruzar nas ruas que cortam. O ideal aqui nesses dois cruzamentos era ter um semáforo", comenta.

No Jardim Pagani, o morador João Carlos Veronesi disse que a retirada de uma lombada na rua Manoel Mendes Caetano faz com que alguns veículos cheguem a 80 km/h. "O certo era voltar a lombada nessa rua", lembra.

O presidente da Emdurb, Elizeu Eclair, afirma ao JC que neste momento a empresa municipal está cumprindo a decisão da Justiça, que foi em segunda instância, sem a possibilidade de recurso. Caso o município descumpra a ordem, ficará sujeito a multa. "Colocamos uma máquina para fazer a retirada, leva um tempo, por isso pedidos para a Justiça um prazo de seis meses. Neste momento, estamos apenas fazer a remoção de lombadas, sem a colocação de novas, para cumprir essa ordem da Justiça por conta das lombadas que foram construídas de maneira errada no passado", comenta.

Reclamação na Câmara​

Na Câmara, o assunto repercutiu na sessão de segunda-feira, a primeira deste ano. O vereador Carlão do Gás (MDB) pede que novas lombadas sejam construídas. “Se as lombadas estão fora do que determina a legislação, que as novas sejam feitas dentro das normas, mas que sejam colocadas. Não pode ficar sem. É a população que está pedindo. Eles começaram a retirada pela região norte e nessas vias já tem muita gente reclamando da alta velocidade dos carros”, aponta, em discurso na tribuna da Câmara. O vereador Manoel Losila (PDT) também falou do mesmo problema e disse que vem recebendo muitas reclamações de moradores da rua Bernardino de Campo e rua Alto Acre. O vereador Miltinho Sardin (PTB) fez indicação formal a Emdurb pedindo a recolocação de todas as lombadas que foram retiradas da alameda Cônego Aníbal Difrância, no Vista Alegre.

Maioria dos redutores de velocidade retirados não deverá ser refeita

Até o momento foram retiradas as lombadas da quadra 3 da rua Araújo Leite, da quadra 18 da rua Alto Acre, das quadras 12, 14 e 18 da rua Bernardino de Campos, das quadras 5, 15, 23, 28, 30 e 36 da avenida Castelo Branco, da quadra 14 da avenida Comendador Martha, das quadras 1, 3, 5, 11, 14 e 17 da rua Alves Seabra, das quadras 3, 5, 6, 9 e 10 da alameda Cônego Aníbal Difrância, da quadra 5 da Praça das Orquídeas, e da quadra 5 da alameda das Tulipas.

Até a metade deste ano, mais dezenas de lombadas irregulares serão retiradas, mas por enquanto não há previsão de recolocação.

O presidente da Emdurb, Elizeu Eclair, frisa que está cumprindo a ordem da Justiça, movida pela Adeciba, e que a recolocação em muitos pontos não será possível. A Resolução 600/2016 do Contran estabelece que as lombadas devem ter padrão de construção e só devem ser colocadas em vias coletoras e locais, e não em vias arteriais. Outro aspecto é que as lombadas devem estar a pelo menos 50 metros das esquinas e ficam vetadas em vias com determinados graus de declividade. Alternativas para a redução de velocidade devem ser implantadas, como semáforos e radares. "Nos pontos onde pode haver a recolocação, é necessário que seja feito um pedido formal na Emdurb, que precisará elaborar estudo técnico, e, caso seja aprovada, a construção seja feita dentro dos padrões", conclui.