Bauru e grande região

Política

Creche atenderá filhos de comerciários

Prevista para o Centro, unidade atenderá 180 crianças de 0 a 5 anos em demanda preferencial; ainda não há prazos

por Marcele Tonelli

09/10/2019 - 04h01

Neide Carlos/JC Imagens

Local em que a creche será instalado ainda será definido. Vereador, prefeito e secretária visitarão o Centro semana que vem

Mães e pais que trabalham no comércio central poderão, em breve, contar uma creche para deixarem suas crianças próximas ao trabalho. Está em estudo uma proposta para implantação da 1.ª creche da cidade voltada a um público específico: filhos de comerciários.

A ideia, encabeçada pelo vereador Markinho Souza (PP), teve o aval do prefeito Clodoaldo Gazzetta e da secretária de Educação Isabel Miziara. Na semana que vem, os três se reunirão no Centro de Bauru para analisar os possíveis locais poderão abrigar a creche. Ainda não há prazos, apenas sinalização de implantar a ideia até meados de 2020.

Obrigatoriamente, a unidade deverá ser instalada nas ruas próximas ao Calçadão da Batista de Carvalho. A previsão é de que o local atenda cerca de 180 crianças, de 4 meses a 5 anos, preferencialmente filhos de comerciantes que trabalhem no Centro.

"Na cidade toda, cerca de 700 vagas ainda são necessárias. E temos uma demanda antiga para aquela região. A ideia é comprar um imóvel e transformá-lo em creche", cita o prefeito Clodoaldo Gazzetta.

Tanto Gazzetta quanto Markinho disseram que a iniciativa não partiu de pedidos da categoria. "Me baseio no modelo de outras cidades. Em Botucatu, existe uma iniciativa parecida e deu muito certo. Qual mãe não gostaria de ter o filho mais próximo ao seu trabalho, para poder amamentar ou para atender mais rápido algum imprevisto ou problema?", questiona o vereador.

ABRIR VAGAS

Isabel Miziara analisa que, automaticamente, vagas em creches de bairros surgiriam com as transferências, ajudando a suprir outras demandas.

"Existem mecanismos que podem ser criados para atender a esse pedido. A legislação possui flexibilização quanto à educação infantil, a criança pode ser colocada em uma creche não só perto de sua casa, mas também próxima da casa dos avós ou do trabalho dos pais", explica a secretária.

Ela ressalta, contudo, que outros públicos não pertencentes à classe dos comerciários também podem atendidos, conforme a disponibilidade de vagas.

Atualmente, Bauru possui apenas uma creche municipal no Centro, a Emei Gasparzinho.

"Por problemas estruturais no prédio, estamos transferindo os alunos para um imóvel próximo ao Hospital de Base, que não é uma região tão central assim. O ideal seriam vias próximas à rua 1 de Agosto", acrescenta Miziara.

O recurso utilizado para a reforma do imóvel deve vir da pasta da Educação. Isabel sinaliza que parte do recurso já está disponível em 2019, mas a outra metade deve ser prevista para o Orçamento de 2020. "É difícil precisar um valor, porque se o imóvel precisar ser demolido ou for mais antigo e tiver que ser adaptado, pode ficar mais caro", avalia. "Por isso, iremos até lá. Uma análise criteriosa deve ser feita, considerando a localização e tamanho do terreno. Se o imóvel for verticalizado, a adaptação é mais difícil", considera Isabel Miziara.

Para filhos de consumidores

A proposta também contempla, em um segundo momento, um espaço da creche voltado para o "pit stop" de crianças filhas de consumidores do comércio Central. O local, contudo, deve ser de responsabilidade da Secretaria do Bem-Estar Social (Sebes). "O Centro ganhou a feira noturna e, agora, deve receber mais vida com o Mercadão e a revitalização. Ter um lugar para deixar os filhos em segurança para poder fazer compras seria ideal", completa Markinho.

Ler matéria completa