Bauru e grande região

Política

Skaf defende reforma tributária e PECs

Presidente do Fiesp esteve em Bauru vistoriando obras do ginásio do Sesi, que estão bem adiantadas, e palestrou no Ciesp

por Thiago Navarro

09/11/2019 - 04h23

Vinicius Bomfim

Gino Paulucci Jr., Paulo Skaf e José Luiz Simonelli, no encontro 'Diálogos pelo Brasil', no Ciesp

A aprovação das reformas propostas pelo governo federal são prioridade para o País, na avaliação do presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf. Ele esteve nesta sexta-feira (8) em Bauru, primeiro para acompanhar a construção do novo ginásio do Sesi do Horto Florestal - leia mais na página 10 - e depois para o encontro 'Diálogos pelo Brasil', no Ciesp.

Na palestra voltada a empresários e lideranças regionais no Ciesp, Skaf destacou o momento de reformas estruturais do Brasil e comentou sobre sua presença na China no mesmo período em que o presidente Jair Bolsonaro (PSL). "Procuramos estreitar essa relação com os chineses, que estão entre os principais parceiros comerciais do País. O presidente tem procurado melhorar a imagem brasileira perante outros países para buscar novos mercados aos produtos daqui", citou.

Antes da palestra, o presidente da Fiesp conversou com a imprensa e destacou a prioridade das reformas, em especial a tributária e as Propostas de Emenda à Constituição (PEC) apresentadas por Bolsonaro ao Senado e Câmara dos Deputados. "O momento é positivo, com reformas que o País precisava. Começou com a reforma das leis trabalhistas, depois a da Previdência, esta sendo finalizada, e as três PECs que o governo mandou para o Senado e a Câmara nesta semana alteram pontos importantíssimos para enquadrar o governo dentro das contas verdadeiras, e com ferramentas para conter desequilíbrios. Será discutido de forma democrática, porém entendo que mesmo o que for impopular precisa acontecer. Há uma discussão de reforma tributária, que também precisa acontecer", entende.

ELEIÇÕES

Para Skaf, ainda é prematuro falar sobre seu futuro político - ele concorreu a governador nas duas últimas eleições. "As eleições gerais estão longe, até lá o País precisa retomar o desenvolvimento, o crescimento, gerar emprego e aprovar as PECs para modernizar. Minha preocupação como presidente da Fiesp é terminar as obras que temos, como o ginásio em Bauru, escolas. Não sou político de carreira, agradeço a todos os que acreditaram e votaram em mim nas eleições, mas a disputa acabou e agora é momento de pensar no País", afirma. "E não serei candidato a prefeito de São Paulo no ano que vem, para a outra eleição, em 2022, aí vamos pensar depois o que fazer", lembra.

Skaf concorreu a governador no ano passado, ficando em terceiro lugar. Para ele, o governador João Doria (PSDB) deve focar apenas em administrar o estado agora. "Se tivesse que dar uma opinião, é que não pense na próxima eleição, e apenas governar", destaca. 

 

Apoio a Mandaliti

Recentemente lançado como pré-candidato do MDB a prefeito de Bauru, o empresário Rodrigo Mandaliti teve nesta sexta-feira (8) a declaração de apoio de Paulo Skaf para concorrer no ano que vem. “Terá o meu apoio sempre, o Rodrigo Mandaliti quer entrar na política para ajudar a cidade, vai fazer o melhor”, afirma.

Durante a passagem de Skaf nas obras do novo ginásio do Sesi do Horto Florestal, estiverem presentes o presidente do MDB em Bauru e pré-candidato a prefeito Rodrigo Mandaliti, o presidente do Vôlei Bauru, Reinaldo Mandaliti, o diretor do Sesi, Clóvis Cavenaghi, e o vereador Manoel Losila (PDT). Já na palestra no Ciesp, o diretor do Senai, Ademir Redondo também esteve presente. Skaf foi recebido pelo diretor do Ciesp de Bauru, Gino Paulucci Jr., e pelo diretor da Fiesp, José Luiz Simonelli.

Ler matéria completa