Bauru e grande região

Política

Magistrada tinha uma fortuna em casa

Ex-presidente do TJ da Bahia, presa pela Polícia Federal, tinha mais de R$ 100 mil em espécie em casa e muitas joias

por FolhaPress

01/12/2019 - 06h00

Divulgação/Ascom/TJ-BA

Maria do Socorro Santiago investe em joias e obras de arte

Salvador - Agentes da PF (Polícia Federal) encontraram cerca de R$ 100 mil em espécie, além de joias e obras de arte no apartamento da desembargadora do TJ-BA (Tribunal de Justiça da Bahia) Maria do Socorro Santiago. Na sexta-feira ela foi presa por suspeição de enriquecimento ilícito e venda de sentenças, em caso de grilagem de terras. A informação da fortuna encontrada foi revelada pelo blog do jornalista Fausto Macedo, do jornal "O Estado de S. Paulo", e foi confirmada pelo UOL que teve acesso à documentação do caso.

A busca e apreensão feita pela Polícia Federal encontrou quase R$ 100 mil em espécie no guarda-roupas de Maria do Socorro. Eram R$ 56 mil, 9 mil euros (R$ 42 mil) e US$ 200 (R$ 847). Também foi apreendido um "grande estojo do tipo mostruário com adornos femininos, contendo colares, anéis, relógios, brincos", informou ontem a Procuradoria Regional. O Ministério Público Federal (MPF) informou ainda que havia três relógios que estampavam a marca Rolex. E um colar de ouro tinha "aparente alto valor de mercado", segundo a Procuradoria.

Os "inúmeros quadros de artistas baianos e de outras regiões do Brasil" encontrados não foram apreendidos. Alguns ainda estavam embalados.

A PRISÃO

A Polícia Federal cumpriu nesta sexta-feira (29) uma ordem de prisão preventiva contra a desembargadora Maria do Socorro Barreto Santiago, ex-presidente do Tribunal de Justiça da Bahia. 

A prisão, decretada pelo ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Og Fernandes ,após pedido da Procuradora-geral da República, foi realizada no âmbito da segunda fase da Operação Faroeste, que investigas suspeitas de grilagens de terras na região oeste da Bahia.

A reportagem ainda não conseguiu contato com a defesa da desembargadora.

AFASTADA

A magistrada já havia afastada do cargo por 90 dias no dia 19 de novembro, quando também foi alvo de busca e apreensão no âmbito na mesma operação, que determinou o bloqueio de R$ 581 milhões dela e demais suspeitos.

Ao todo, são investigadas 21 pessoas, dentre magistrados, empresários, servidores públicos e advogados.

O centro da investigação é um litígio judicial em torno da posse de uma área na região oeste da Bahia de 80 mil hectares (equivalente a 11 vezes o tamanho de Salvador), configurando uma das maiores disputas de terra em curso no Judiciário brasileiro.

Ler matéria completa