Bauru e grande região

 
Política

'Aras reforça críticas à Lava Jato', dizem senadores

Encontro virtual foi realizado a pedido do grupo Muda Senado

por FolhaPress

29/07/2020 - 18h29

Waldemir Barreto/Agência Senado

"Muda Senado" participa de conversa virtual com procurador

Brasília - O procurador-geral da República, Augusto Aras, afirmou nesta quarta-feira (29) que a República "não combina com heróis", em uma crítica a integrantes da Operação Lava Jato. O relato foi feito por senadores que participaram de reunião com Aras.

"Ele [Aras] disse que uma República não combina com heróis", disse o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), um dos participantes do encontro.

"Ele disse que sofre uma oposição sistemática dentro do MP [Ministério Público], mas ele acredita que não pode haver dois MPs, um MP com a web oficial e outro com um grupo privatizado", afirmou o congressista.

O encontro virtual foi realizado a pedido do grupo Muda Senado. Aras foi contatado pelo senador Marcos do Val (Podemos-ES). Ao todo, oito congressistas participaram da conversa.

Segundo o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), o procurador-geral reforçou ainda mais as críticas já feitas anteriormente aos integrantes da Lava Jato.

"Ele repete as mesmas ilações [contra a Lava Jato], ao mesmo tempo em que defende o trabalho e o legado da Lava Jato, mas ele diz que tem um banco de dados muito grande que não é conhecido", disse Vieira.

O MPF (Ministério Público Federal) atravessa uma crise que opõe a cúpula da instituição em Brasília e integrantes das forças-tarefas da Lava Jato.

Nesta terça-feira, Aras já havia afirmado que a operação em Curitiba tem "caixa de segredos". A afirmação foi feita durante encontro virtual com o grupo Prerrogativas.

"Em todo o MPF [Ministério Público Federal] no seu sistema único tem 40 terabytes. Para o funcionamento do seu sistema, a força-tarefa de Curitiba tem 350 terabytes e 38 mil pessoas com seus dados depositados, que ninguém sabe como foram escolhidos", afirmou Aras.

"Não se pode imaginar que uma unidade institucional se faça com segredos, com caixas de segredos."

A fala do chefe do MPF ocorreu durante a webconferência Os Desafios da PGR em Tempos de Pandemia, promovida pelo grupo Prerrogativas.

Aras disse que recentemente foram descobertos 50 mil documentos invisíveis à corregedoria.

Ler matéria completa