Bauru e grande região

Política

Suéllen quer mutirão para tapa-buraco

Prefeita pretende organizar ações para reduzir buracos nas ruas e melhorar a limpeza pública

por Thiago Navarro

03/01/2021 - 04h45

Malavolta Jr.

Buraco na avenida Cruzeiro do Sul com a rua Henrique Hunzicker aumentou de tamanho

A prefeita Suéllen Rosim (Patriota) realiza amanhã sua primeira reunião com os secretários após tomar posse e entre as prioridades está a organização de 'força-tarefa' para reduzir o número de buracos nas ruas e também aumentar a velocidade da limpeza de áreas públicas. As ações, de acordo com ela, precisam ocorrer de maneira integrada entre as secretarias.

No caso do tapa-buraco, as secretarias de Obras e de Administrações Regionais (Sear) fazem o serviço, assim como o Departamento de Água e Esgoto (DAE). A ideia é que possam atuar de maneira conjunta. "São três setores diferentes fazendo o mesmo serviço e há falta de mão de obra na prefeitura. Então, vamos trabalhar com os secretários para que a integração seja maior, com possibilidade de realizar mutirões e garantir mais eficiência", afirma.

UNIFICADO

Outro setor em que podem ocorrer mutirões é a limpeza pública, que tem parte da área urbana aos cuidados da Sear e parte com a Emdurb. Além disso, uma empresa terceirizada foi contratada pelo município no ano passado para a limpeza de terrenos particulares, com a posterior cobrança dos proprietários, e que pode atuar na limpeza de áreas públicas. "Este é outro serviço que precisa estar mais unificado, ainda que a Sear e a Emdurb continuem fazendo, mas a distribuição seja mais clara. Já a contratação de uma empresa privada é possível, desde que na parte jurídica isso seja viável", destaca.

Contratos no fim

Suéllen deve decidir sobre a continuidade de outros serviços. O contrato entre a Secretaria do Meio Ambiente (Semma) e a Emdurb para a coleta de lixo venceu neste sábado (2), mas tinha sido prorrogado pelo ex-prefeito Clodoaldo Gazzetta (PSDB) por três meses, em um dos últimos atos do governo que se encerrou.

Desta maneira, a coleta está assegurada nos moldes atuais até o final de março. Até lá, Suéllen terá que definir se vai manter o serviço com a empresa municipal ou se levará a licitação de contratação de uma empresa terceirizada até o fim. O processo licitatório está em tramitação interna na Semma e demais pastas e ainda não foi aberto para realização do pregão. O atual contrato com a Emdurb é de R$ 184,00 por tonelada, o que equivale a R$ 16,5 milhões anuais. Outro contrato que está se encerrando na limpeza pública é com o aterro privado de Piratininga, onde o lixo é levado.

O local recebe os resíduos de Bauru desde 2016, quando o antigo aterro municipal foi encerrado. O contrato em vigência está acabando e uma licitação foi aberta e ocorrerá nesta segunda-feira (4). A prefeitura pagava R$ 88,04 por tonelada, o que significa R$ 3,9 milhões por ano. O município discute uma Parceria Público Privada (PPP), que seria apenas para a destinação final do lixo, sem envolver a coleta, mas até que a situação seja definida, um aterro precisa ser contratado. "No caso do aterro, por enquanto, é difícil ter outra alternativa. Já a coleta vamos analisar como está a situação com a Emdurb ainda", frisa.

Pandemia e vacinas

A nova prefeita diz que pretende manter o Comitê de Enfrentamento da pandemia, com algumas adaptações, como a inclusão de membros da Educação, até para discutir como funcionará o retorno das aulas. Suéllen afirma também que a Secretaria de Saúde está preparada para a aplicação de vacinas, quando estas forem disponibilizadas pelos governos estadual ou federal. A pasta já tem equipamentos para acondicionar os imunizantes, mas ela destaca que mais pontos de vacinação terão que ser abertos no período da campanha. Sobre a compra de insumos como agulhas e seringas, ela afirma que uma reunião entre o Estado e prefeitos vai ocorrer nesta semana.

Ler matéria completa