Bauru

Política

Legislativo destina R$ 1,8 milhão do duodécimo para cartão-alimentação

Mesa Diretora planejou enviar redução do orçamento para famílias em vulnerabilidade social e manter dinheiro em Bauru

por Bruno Freitas

24/06/2021 - 05h00

Malavolta Jr.

Os vereadores Guilherme Berriel, Edson Miguel, Markinho Souza e Pastor Bira, da Mesa Diretora

Cartão de alimentação por cinco meses para 3.500 bauruenses em situações de pobreza e desemprego, no valor de R$ 100,00. E dinheiro a ser injetado especificamente na economia de Bauru, em supermercados, mercearias, padarias e açougues cadastrados. Essa é a proposta da Mesa Diretora da Câmara Municipal que reduziu quase 10% do orçamento da Casa de Leis (duodécimo) para 2021, um total de R$ 1,8 milhão.

A mesa é composta pelo presidente Markinho Souza (PSDB), o vice Guilherme Berriel (MDB), o primeiro secretário Pastor Bira (Podemos) e o segundo secretário Pastor Edson Miguel (Republicanos). Os parlamentares destacaram a preocupação com a crise sanitária e econômica, decorrente da pandemia de Covid-19.

Os componentes realizaram duas reuniões com a prefeita Suéllen Rosim, nos dias 16 de abril e 5 de maio, no Palácio das Cerejeiras, indicando a necessidade de usar o dinheiro para socorrer bauruenses cadastrados na Secretaria Municipal do Bem-Estar Social (Sebes).

"Estamos abrindo mão de recursos futuros com a condição de utilizar a quantia para a assistência social, a partir de julho. A Sebes está em estágio adiantado com o processo licitatório de empresa que ficará responsável por gerenciar os cartões. Licitação de cestas básicas não é o ideal agora por dois motivos, um deles é o fato de a família ter liberdade de escolher o que quer comer e evitar que uma empresa de fora de Bauru assuma o fornecimento. Assim, o dinheiro que é da cidade circulará aqui, e não fora", pontuou Markinho Souza.

Guilherme Berriel, Pastor Bira e Pastor Edson Miguel acrescentaram que há uma união de esforços por esse duodécimo e que o valor deve ser considerado como algo a mais, que chega para somar com outras ações das esferas municipal, estadual e federal.

Ainda segundo Markinho Souza, é humilhante para um munícipe o fato de bater na porta de um Centro de Referência em Assistência Social (Cras) e não ter uma cesta básica.

A REDUÇÃO

Com o aval dos vereadores, a Mesa Diretora reduziu, no início do ano, parte do orçamento legislativo, possibilitando, assim, que a prefeitura utilize o recurso da Câmara, através da Sebes, para a viabilização do dinheiro para assistência social.

PREFEITURA

A prefeita Suéllen Rosim protocolou na última segunda-feira (21) o Projeto de Lei n.º 36/21 que autoriza a suplementação de recursos através de remanejamento no orçamento do exercício de 2021. O processo deu entrada no mesmo dia na 21ª Sessão Ordinária e já passou, nesta semana, pelas comissões de Justiça, Legislação e Redação e Economia, Finanças e Orçamento, que deram parecer pela normal tramitação da matéria.

A Sebes confirma que iniciou os procedimentos para a licitação. No entanto, informou ao JC que ainda vai definir o número de famílias beneficiadas, o valor final e o prazo de duração do benefício.

 

Ler matéria completa