Bauru

Política

Ato pró-Bolsonaro defende 'nova independência'

Apoiadores do presidente têm como bandeira o Estado Democrático de Direito e a independência entre os Três Poderes

por Lilian Grasiela

07/09/2021 - 15h45

Fotos: Malavolta Jr.

Com muitas bandeiras, participantes tomaram o Parque Vitória Régia na manhã desta terça-feira

Na manhã desta terça-feira (7), feriado de 7 de Setembro, assim como ocorreu em todo o País (leia mais), apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) se reuniram no Parque Vitória Régia, em Bauru, e, sob o lema "Supremo é o Povo", fizeram um ato em defesa do que consideram uma "nova independência", com garantia do Estado Democrático de Direito, do respeito à liberdade individual e da independência entre os Três Poderes (veja mais).

O ato foi organizado pelo grupo de direita "Unidos pelo Brasil" e contou com cerimônia de hasteamento da bandeira e hino nacional. Um dos líderes do grupo, Helio Venâncio, o Cabo Helinho, afirma que, atualmente, o País vive um momento crítico em relação à democracia, o que torna emblemática a escolha do dia 7 de Setembro para as manifestações a favor do governo.

"Tem um caráter especial até porque a denominação que a própria população está dando, e não só nós organizadores, é da 'nova independência' porque, querendo ou não, as pessoas aqui estão indignadas com os últimos acontecimentos, com aquelas invasões dos Poderes", argumenta.

"Na verdade, o que a gente quer e espera é que os Poderes tenham harmonia, cada um atuando naquilo para o qual foi criado. Não somos contra nenhuma instituição. Muito pelo contrário. Mas as pessoas que compõem instituições são seres humanos e também estão sujeitas a erros".

Para Cabo Helinho, a garantia da independência entre os Três Poderes no País é fundamental para a democracia. "A gente percebe que a insatisfação social é justamente com essa invasão, com essa falta de limite, e isso incomoda porque é aquela máxima: a violação ao direito de um representa a violação ao direito de qualquer um de nós. E aí independe de ideologia político-partidária", avalia.

O casal Maria Lucilene Vieira e Carlos Roberto Lopes fez questão de participar do ato no Vitória Régia. Na opinião dele, que é comerciante em Bauru há 26 anos, a luta pela democracia passa pela moralização dos Poderes. "Esse ato dá coragem para a gente poder falar que vai tudo mudar agora. É essa a nossa fé. Por isso que a gente está aqui fazendo esse ato, que é muito organizado. O Brasil merece isso. Nós merecemos isso. E a gente apoia o Bolsonaro e a democracia", declara.

DISCURSOS

Em seus discursos, organizadores do ato também defenderam bandeiras como a adoção do voto impresso auditável, com contagem pública, nas próximas eleições presidenciais; e a decretação da prisão dos réus em processos criminais apenas após o trânsito em julgado das ações (quando não existe mais possibilidade de recurso).

Eles ainda fizeram críticas ao que chamam de "crime de opinião", quando pessoas são punidas por exporem suas posições nas redes sociais, e cobraram do Senado Federal o recebimento - já rejeitado - de pedido de impeachment feito pelo presidente contra o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes.

O deputado federal Capitão Augusto (PL) passou pelo Parque Vitória Régia no início da manhã, mas não pôde acompanhar a manifestação em razão de convite para participar de ato na avenida Paulista, na Capital. De lá, enviou áudio aos apoiadores de Bolsonaro em Bauru parabenizando pela iniciativa e apoiando a luta em defesa da liberdade.

Ler matéria completa

×