Bauru

Política

Prefeitura rompe contrato com empresa que constrói a ETE

Entre as falhas encontradas, estariam mais de 700 fissuras nos tanques, problemas de escoramento nas lajes e de aplicação do concreto

por Guilherme Tavares

14/09/2021 - 17h44

Aceituno Jr

Prefeita Suéllen Rosim

A Prefeitura de Bauru anunciou nesta terça-feira (14) o rompimento do contrato com a COM Engenharia, empresa responsável pela construção da Estação de Tratamento de Esgoto, sob o argumento de ter encontrado uma série de erros de execução. Entre as falhas, estariam mais de 700 fissuras nos tanques, problemas de escoramento nas lajes e de aplicação do concreto. O Executivo, agora, assume o canteiro provisoriamente e prepara uma nova licitação prevendo não só a conclusão da ETE como também a correção das falhas. A expectativa é de retomar as obras no primeiro semestre de 2022.

A rescisão foi unilateral, ou seja, tomada apenas pela Prefeitura sem tentativa de acordo com a construtora. Segundo o Executivo, a COM Engenharia já foi notificada, mas até o fechamento desta edição não havia se manifestado.

Os erros de execução foram apontados por laudos feitos pela Secretaria de Obras juntamente com a empresa responsável pelo Acompanhamento Técnico da Obra (ATO) e embasaram a decisão. Segundo a prefeita Suéllen Rosim (Patriota), a equipe jurídica ainda avalia as medias administrativas que serão tomadas em relação aos defeitos nos serviços já executados. “Juridicamente, o que os laudos apontam já garante o rompimento de contrato. Novos fatos podem surgir, mas o que a gente tem já é suficiente para o município não ficar mais na retaguarda”, afirma Suéllen Rosim.

Suéllen, no entanto, não cravou uma data para o novo processo licitatório, ainda em andamento, e nem para conclusão da ETE. “Queremos o mais rápido possível, provavelmente deve ser no começo do ano que vem. Estamos finalizando o detalhamento técnico, sem ele é impossível tocar um projeto e dizer para quem for pegar a obra o que deverá ser feito”, disse a prefeita. A nova licitação, contando com as correções, pode chegar a R$ 50 milhões, aproximando o valor final da ETE dos R$ 200 milhões.

ADITIVOS

O contrato com a COM Engenharia se encerrou no último domingo (12) e poderia ser prorrogado até dezembro. No entanto, a Prefeitura temia estourar o teto de 25% de aditivos.

Ler matéria completa

×