Bauru

Política

ViaRondon vai apresentar novo projeto para marginal

Decisão foi anunciada durante reunião nesta quinta-feira (21/10), na sede da Seplan

por Tânia Morbi

22/10/2021 - 05h00

Divulgação

Reunião realizada ontem

Em uma reunião realizada nesta quinta-feira (21), na Secretaria de Planejamento da Prefeitura de Bauru, a concessionária ViaRondon aceitou realizar um projeto alternativo ao que estava previsto para a construção da marginal à Rodovia Marechal Rondon (SP 300), na altura do Jardim Araruna. Pelo projeto que seria executado, parte do fluxo de veículos da marginal seria direcionada para o bairro, afetando ruas e gerando insegurança entre os moradores. Além de cortar dezenas de árvores do local, algumas com dezenas de anos de existência.

Por isso, um grupo de moradores se reuniu no último domingo (17) e decidiu ingressar com uma ação coletiva contra o andamento da obra. Na terça-feira (19), a concessionária confirmou que conversaria com os moradores para debater o impasse, após a articulação do vereador Marcelo Afonso (Patriota).

Participaram os secretários Nilson Ghirardelo (Seplan), Dorival José Coral (Semma), Leandro Joaquim (Obras), Marcelo Ryal (Defesa Civil), Anibal dos Santos Ramalho (Emdurb), moradores do bairro e o seu representante, o advogado legal Edilson Marciano. Representando a concessionária, participaram Fábio Abritta, Guilherme Bastos Martins e Chalisa Nunes Martins.

Pelo que foi definido na reunião, a ViaRondon deve apresentar um projeto alternativo e a prefeitura se responsabilizou em fazer contato com a Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp), para pedir a aprovação da nova proposta.

Segundo Edilson, no projeto inicial o dano ao meio ambiente não é somente o corte das árvores, que neste aspecto é até secundário. O problema maior, que despertou medo entre todos, é a saúde dos próprios moradores que ficaria em risco, já que da forma como estava o projeto um trânsito muito intenso passaria bem perto da porta das casas. "A gente não sabe se este novo projeto vai ser benéfico para a população, mas houve um avanço neste ponto, em relação à saúde daqueles moradores", avaliou o advogado.

Ler matéria completa

×